Para reduzir gastos, Banco Mundial sugere fim do ensino superior gratuito no Brasil

No entanto, governo continuaria subsidiando os estudantes que estão entre os 40% mais pobres do país

Para cortar gastos sem prejudicar os mais pobres, o governo deveria acabar com a gratuidade do ensino superior. Isso é o que sugere um estudo do Banco Mundial (Bird) intitulado “Um ajuste justo – propostas para aumentar eficiência e equidade do gasto público no Brasil“.

Segundo o relatório, o governo deve continuar subsidiando os estudantes que estão entre os 40% mais pobres do país – com uma “bolsa de estudos”, enquanto os alunos de classe média e classe alta poderiam pagar pelo curso após estarem formados. Na universidade, eles teriam acesso a algum tipo de crédito, como o Fies.

Ainda segundo o estudo do Banco, 65% dos estudantes de ensino superior das universidades públicas federais se enquadram na faixa dos 40% mais ricos da população. Neste caso, de acordo com o estudo, tendo em vista que estes alunos tendem a elevar sua renda após estarem formadas, a gratuidade “pode estar perpetuando a desigualdade no País”.

O país possui cerca de 2 milhões de estudantes nas universidades e institutos federais. Já nas faculdades particulares, este número chega a 8 milhões de alunos. Mas enquanto um aluno de instituição privada custa cerca de R$ 14 mil, este custo sobe para R$ 41 mil nas universidades federais e para R$ 74 mil nos institutos federais.

“As despesas com ensino superior são, ao mesmo tempo, ineficientes e regressivas”, diz o relatório. Ainda segundo a instituição, a economia poderia chegar a R$ 13 bilhões anuais.

Para mais notícias sobre Educação, clique aqui!

você pode gostar também

Deixe um comentário

error: Conteúdo protegido, entre em contato ([email protected]) para solicitar a matéria!