Para cortar gastos sem prejudicar os mais pobres, o governo deveria acabar com a gratuidade do ensino superior. Isso é o que sugere um estudo do Banco Mundial (Bird) intitulado “Um ajuste justo – propostas para aumentar eficiência e equidade do gasto público no Brasil“.

Segundo o relatório, o governo deve continuar subsidiando os estudantes que estão entre os 40% mais pobres do país – com uma “bolsa de estudos”, enquanto os alunos de classe média e classe alta poderiam pagar pelo curso após estarem formados. Na universidade, eles teriam acesso a algum tipo de crédito, como o Fies.

Ainda segundo o estudo do Banco, 65% dos estudantes de ensino superior das universidades públicas federais se enquadram na faixa dos 40% mais ricos da população. Neste caso, de acordo com o estudo, tendo em vista que estes alunos tendem a elevar sua renda após estarem formadas, a gratuidade “pode estar perpetuando a desigualdade no País”.

O país possui cerca de 2 milhões de estudantes nas universidades e institutos federais. Já nas faculdades particulares, este número chega a 8 milhões de alunos. Mas enquanto um aluno de instituição privada custa cerca de R$ 14 mil, este custo sobe para R$ 41 mil nas universidades federais e para R$ 74 mil nos institutos federais.

“As despesas com ensino superior são, ao mesmo tempo, ineficientes e regressivas”, diz o relatório. Ainda segundo a instituição, a economia poderia chegar a R$ 13 bilhões anuais.

Para mais notícias sobre Educação, clique aqui!

Assine nossa Newsletter e receba as principais notícias do Portal N10 em seu Whatsapp totalmente grátis. Clique no ícone do WhatsApp para ser incluído (não se esqueça de salvar nosso número na sua lista de contato!).

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.