Política

Votação para que a PF possa negociar delações premiadas foi realizada nesta quarta-feira

Com seis votos, entre os 11 ministros, número mínimo dos votos para conseguir os acordos de colaboração premiada, a autorização para que a Polícia Federal (PF) possa negociar delações premiadas foi realizada. A decisão foi formada nesta quarta-feira (13) pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

A favor da colaboração estiveram os ministros Marco Aurélio Mello, relator do processo, Alexandre de Moraes, Luís Roberto Barroso, Rosa Weber, Luiz Fux e Dias Toffoli.  No entanto, o único ministro contra a decisão do STF foi Edson Fachin.  O julgamento foi suspenso após o voto de Toffoli, a sessão terá retorno já nesta quinta-feira (14).

Os ministros Celso de Mello e a presidente Cármen Lúcia ainda não votaram. Gilmar Mendes, que está em viagem, e Ricardo Lewandowski, que está de licença média, não participaram da sessão desta quarta-feira e também não estarão presentes na próxima.

Durante seu voto, o ministro Marco Aurélio afirmou que conferir apenas ao Ministério Público o poder de firmar delações poderia gerar uma concentração de poder prejudicial.

“A Constituição Federal, ao estabelecer competência, visa assegurar o equilíbrio entre os órgãos públicos concentração de poder é prejudicial ao bom funcionamento do estado democrático de direito. Razão pela qual interpretação de prerrogativa deve ser feita mediante visão global do sistema sob pena de afastar a harmonia prevista pelo constituinte”, disse o relator.

O julgamento de hoje é referente à ação da Procuradoria-Geral da República (PGR) que defende que essa seja uma atribuição exclusiva do Ministério Público. No momento, a lei afirma que tanto delegados de polícia quanto membros do Ministério Público podem firmar acordos de delação, porém, delegados poderão ter essa atuação limitada.

You Might Also Like

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.