DestaquesSaúde

Vírus Nipah poderia causar a próxima pandemia?

Os morcegos frugívoros são o principal hospedeiro animal do vírus Nipah

As consequências graves e devastadoras da pandemia de coronavírus foram, sem dúvida, agravadas por uma falta substancial de preparação para a pandemia, com exceção do Leste e Sudeste Asiático, que criaram defesas após sua experiência com a SARS em 2003. Portanto, é crucial que os governos comecem a desenvolver estratégias para nos proteger se outros vírus mortais surgirem.

Um recente surto do vírus Nipah na Índia levantou a questão de saber se devemos começar a considerá-lo uma ameaça futura e procurar construir nosso arsenal de defesas a partir de agora.

O rápido desenvolvimento de vacinas contra o novo coronavírus, SARS-CoV-2, proporcionou uma saída para essa pandemia. Portanto, se vacinas para outros vírus potencialmente perigosos pudessem ser desenvolvidas e armazenadas, elas poderiam ser lançadas assim que qualquer novo surto fosse detectado. Estaríamos então à frente da curva e uma pandemia poderia ser evitada.

Essa abordagem é louvável – mas assume que os vírus com potencial pandêmico podem ser identificado com antecedência, o que não é fácil de fazer.

O vírus Nipah foi identificado pela primeira vez na Malásia em 1998. Casos como a morte recente de um menino em Kerala, na Índia, levantaram preocupações de que ele pudesse sofrer mutação e aumentar sua eficiência de transmissão, levando a uma ampla circulação.

Esse cenário é assustador, pois o vírus atualmente tem uma taxa de letalidade de mais de 50% e não há vacina ou tratamento testado e comprovado.

Mas antes de podermos investir recursos no desenvolvimento de vacinas contra o Nipah, precisamos avaliar se é uma ameaça de pandemia realista. E mesmo que seja, existem outros vírus por aí, então devemos entender onde ele deve ser classificado na lista de prioridades.

Avaliando o risco de pandemia de Nipah

Para avaliar o risco, precisamos observar como o vírus se transmite e se replica.

Nipah é um paramixovírus. Está relacionado a um vírus humano, o vírus da parainfluenza humana, um dos poucos vírus que causam o resfriado comum. Seu hospedeiro natural é o morcego frugívoro, as grandes e pequenas “raposas voadoras” que se distribuem pelo sul e sudeste da Ásia. Todos os casos de infecção humana com o vírus Nipah até o momento foram devido ao contato direto ou indireto com morcegos infectados.

A infecção em morcegos é subclínica, então passa despercebida. O vírus é excretado na urina que, por meio de aglomeração, garante a transferência dentro e entre as colônias.

Frutas ou sucos de frutas contaminados pela urina de morcego são a principal via de transmissão do vírus às pessoas.

Um estudo de longo prazo em Bangladesh, onde surtos regulares do vírus Nipah ocorrem entre seu povo, sugere que a densidade populacional de morcegos, a prevalência do vírus e as pessoas que bebem seiva de tamareira são os principais fatores que explicam o padrão de transmissão. Os morcegos contaminam a seiva enquanto ela é extraída da tamareira e depois é consumida localmente.

Essa é uma descoberta importante. Como vimos com o SARS-CoV-2, os vírus de melhor transmissão evoluem enquanto o vírus está circulando entre seus hospedeiros humanos, não animais. Portanto, manter o número de infecções em pessoas ao mínimo não apenas minimiza a taxa de mortalidade do próprio Nipah, mas também reduz a chance de adaptação do vírus. Pare a transmissão e você parará a ameaça de pandemia.

Nos casos de infecção humana, até agora, a disseminação foi limitada apenas a contatos próximos do indivíduo infectado primário, como membros da família ou, se a pessoa estiver hospitalizada, funcionários do hospital.

A transmissão geral não ocorre, principalmente porque as proteínas que o vírus Nipah usa para entrar nas células, os receptores, estão concentradas no cérebro e nos tecidos nervosos centrais.

A infecção por Nipah leva à morte por encefalite aguda na maioria dos casos, pois o vírus se replica melhor nos tecidos, onde é fácil para o vírus entrar nas células.

O vírus se replica em um pequeno grau na vasculatura, os vasos sanguíneos que fornecem uma rota para o vírus viajar dos alimentos consumidos para o sistema nervoso. Mas a preferência do sistema nervoso central também sugere por que a transmissão posterior é limitada. O vírus não pode ser transmitido facilmente de lá.

É claro que um indivíduo muito doente terá vírus em todos os lugares, mas como no caso do Ebola, o vírus não é transmitido de forma eficiente pela via respiratória e requer toque ou transferência de fluidos corporais. O contato muito próximo é necessário para infectar outra pessoa.

A chance de o vírus mudar para se replicar no trato respiratório superior, de onde certamente seria mais transmissível, é pequena e, embora não exclua o potencial pandêmico, diminui significativamente sua probabilidade. Como outras infecções zoonóticas regulares, o próprio evento de transbordamento do morcego para o ser humano e as pessoas imediatas afetadas são mais o problema do que o potencial de disseminação epidêmica.

Há uma vacina da Nipah, mais para uso de emergência em pessoas em contato com um caso primário do que para uma campanha de vacinação em geral.

O caso contra ela repousa no fato de que os números absolutos são baixos, os custos altos e os surtos tão esporádicos que um ensaio clínico seria muito difícil de organizar. A pesquisa mostrou que o anticorpo terapêutico é eficaz e que seria uma opção de tratamento muito mais prática a curto prazo.

Na minha opinião, o Nipah não representa um alto risco de causar uma pandemia. É provável que seu padrão atual de surto permaneça normal. Em vez disso, como já foi discutido em outro lugar, precisamos garantir que a vigilância, maior conscientização e medidas eficazes de saúde pública estejam em vigor e sejam cumpridas. Eles terão um impacto muito maior no controle dos casos do vírus Nipah no futuro imediato.

Quanto à preparação para uma pandemia a médio e longo prazo, precisamos voltar nossa atenção para identificar quais outros vírus representam uma ameaça e trabalhar para desenvolver vacinas e outras medidas de defesa contra eles”, relatou Ian Jones, professor de virologia da Universidade de Reading (no Reino Unido).

Quer receber as principais notícias do Portal N10 no seu WhatsApp? Clique aqui e entre no nosso grupo oficial. Para receber no Telegram, clique aqui

Siga o Portal N10 no Google News para acompanhar nossas notícias. Clique na imagem abaixo!

Rafael Nicácio

Co-fundador dos canais Portal N10, Jerimum Geek e do Tudo em Dicas. Já trabalhou na Assecom (Assessoria de Comunicação do Governo do Rio Grande do Norte) e na Ascom (Assessoria de Comunicação da UFRN). E-mail para contato: rafael@oportaln10.com.br

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Olá pessoal! O acesso ao nosso site é gratuito, porém precisamos da publicidade aqui presente para mantermos o projeto online. Por gentileza, considere desativar o adblock ou adicionar nosso site em sua white-list e recarregue a página.