DestaquesMeio Ambiente

Últimos sete anos foram os mais quentes da história, alertam meteorologistas da ONU

Especialistas preveem "repercussões de longo alcance para as gerações atuais e futuras" devido às concentrações recordes de gases de efeito estufa na atmosfera e ao calor acumulado

Os últimos sete anos foram os mais quentes da história, de acordo com um relatório da Organização Meteorológica Mundial (OMM), que faz parte das Nações Unidas. Os autores do estudo preveem “repercussões de longo alcance para as gerações atuais e futuras” devido às concentrações recordes de gases de efeito estufa na atmosfera e ao calor acumulado que ocasionou essa situação.

A estimativa, combinada com contribuições de outras agências da ONU, inclui uma projeção para os meses finais de 2021. Os especialistas esperam que este ano passe do quinto para o sétimo período mais quente desde meados do século XIX, e eles apontam que, se não, este não se deve ao fato de que a tendência de aquecimento de longo prazo esteja sendo revertida, mas sim a um evento de resfriamento temporário e regional, o La Niña.

O nível do mar está aumentando aceleradamente desde 2013, atingindo um novo máximo em 2021, enquanto a acidificação dos oceanos continuou. Os autores do relatório determinaram que a acidez da água do mar não está no nível atual há pelo menos 26 mil anos, afetando a capacidade dos mares de armazenar dióxido de carbono atmosférico.

Os especialistas alertam que os impactos desses fenômenos na segurança alimentar e nas migrações humanas já são reais, ao mesmo tempo em que prejudicam o avanço dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, como o de erradicar a pobreza, levantados em uma conferência internacional em 2012.

“No atual ritmo de aumento das concentrações de gases de efeito estufa, veremos um aumento da temperatura até o final deste século bem acima das metas do Acordo de Paris de 1,5 a 2 graus Celsius acima dos níveis pré-industriais”, alertou o Secretário-Geral da OMM, Petteri Taalas, que apresentou o relatório no dia 31 de outubro, dia de abertura da 26ª Cúpula da ONU sobre mudanças climáticas que será realizada esta semana em Glasgow (Escócia).

Taalas também citou alguns eventos climáticos recentes que mostram a natureza extrema das mudanças no desenvolvimento. Assim, neste ano, em vez de nevar, pela primeira vez choveu no pico mais alto do manto de gelo da Groenlândia, enquanto no Canadá e em regiões adjacentes dos EUA as temperaturas subiram para quase 50 ° C.

Além disso, uma quantidade de água equivalente a meses de chuva caiu em questão de horas na China e em partes da Europa, causando fortes inundações, enquanto muitas partes do Mediterrâneo experimentaram “calor excepcional muitas vezes acompanhado de incêndios devastadores”, lembrou o chefe da a OMM, que também mencionou que é o segundo ano consecutivo de seca nas regiões subtropicais da América do Sul.

Quer receber as principais notícias do Portal N10 no seu WhatsApp? Clique aqui e entre no nosso grupo oficial. Para receber no Telegram, clique aqui

Romário Nicácio

Administrador de Redes. Co-fundador do Portal N10 e do N10 Entretenimento. Redator de sites desde 2009, passando pelo Notícias da TV Brasileira (NTB), Blog Psafe e vários outros de temas variados. E-mail: romario@oportaln10.com.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo