Lula
Foto: Ricardo Stuckert

(ANSA) – O Tribunal Regional Federal da Quarta Região (TRF-4) negou nesta segunda-feira (26), por unanimidade, um recurso da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva contra sua condenação a 12 anos e um mês de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

A ação era um embargo de declaração, instrumento que pede esclarecimentos sobre determinado ponto da sentença, mas não pode alterar seu teor. O recurso foi julgado pelos mesmos desembargadores que condenaram Lula em janeiro passado: João Pedro Gebran Neto, Leandro Paulsen e Victor Luiz dos Santos Laus.

Os magistrados entenderam também que o ex-presidente já pode começar a cumprir sua pena, caso o juiz Sérgio Moro, responsável pelo caso em primeira instância, assim decida. No entanto, o Supremo Tribunal Federal (STF) concedeu uma liminar que impede a prisão do ex-presidente até o julgamento de um habeas corpus preventivo apresentado pela defesa, o que deve ocorrer em 4 de abril.

Além disso, os advogados de Lula terão até 12 dias para entrar com novos embargos de declaração. O líder petista foi condenado sob a acusação de ter recebido um apartamento triplex no Guarujá como propina da empreiteira OAS. O ex-presidente, por sua vez, nega ser proprietário do imóvel.

Como Lula já foi condenado em segunda instância, ele deve ser enquadrado na lei da “Ficha Limpa” e impedido de disputar as eleições de 2018.

Assine nossa Newsletter e receba as principais notícias do Portal N10 em seu Whatsapp totalmente grátis. Clique no ícone do WhatsApp para ser incluído (não se esqueça de salvar nosso número na sua lista de contato!).

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.