Economia

Taxa de desemprego na Grande São Paulo cai para 17,9%, segundo a Dieese

Foto: Rafael Neddermeyer / Fotos Públicas

Uma boa noticia para os moradores da região da Grande São Paulo. Segundo a Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED) do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) e Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados (Fundação Seade), desde maio, foi observada que a taxa de desemprego vinha caindo nos 39 municípios paulistas. De 18,3%, em julho, passou para 17,9% da População Economicamente Ativa (PEA) no mês de agosto.

Os registros foram divulgados nesta quarta-feira (27). O número mostrado representa queda de 2,2%. Porém, não dá para se animar tanto assim. Apesar das taxas de desemprego caírem nos últimos meses, ainda está complicado para encontrar emprego na região.

No ano passado, a porcentagem de desempregados era de 17,2%, e em 2015 o número foi de 13,9%. Já em agosto deste ano, foi contabilizado 1,988 milhão de pessoas desempregadas, o que foi menor a julho.

Um corte no comércio foi considerado a pior taxa. Foram demitidos 61 mil pessoas. Em segundo lugar, ficou a indústria, com 15 mil trabalhadores demitidos. A taxa só não foi pior, porque as contratações superaram as dispensas dos colaboradores nos setores. Foram sete mil empregos, uma alta de 1,2% e, nos serviços, 40 mil, um aumento de 0,7%. O setor púbico também teve queda. Uma média de -4,3% a -0,3% do setor privado.

Qualidade dos empregos criados

Chama atenção também, além dos números de empregos e desempregos caírem ou não, é a qualidade dos serviços oferecidos pelas empresas. Os contratos sem carteira assinada caíram 1,6% e manteve-se praticamente estável o número de trabalhadores registrados (-0,1%), o que, este último, gera melhor qualidade no serviço prestado pelo empregado ao empregador, pois, a carteira assinada proporciona melhor e mais benefícios ao colaborador.

A queda entre trabalhadores autônomos caíram em 2%, segundo registro do Dieese. Registrando um aumento de,8% nas oportunidades de emprego doméstico.

Ainda houve uma recuperação de 1,7% nos ganhos, entre junho e julho com os assalariados passando a receber a média de R$ 2.137. Em relação aos ocupados, o rendimento aumentou 2% ,com a média de R$ 2.076.

Assine nossa Newsletter e receba as principais notícias do Portal N10 em seu Whatsapp totalmente grátis. Clique no ícone do WhatsApp para ser incluído (não se esqueça de salvar nosso número na sua lista de contato!). Fale conosco!

You Might Also Like

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.