Sinte diz que professores só retornam ao trabalho presencial no RN após vacinação

Sinte diz que professores só retornam ao trabalho presencial no RN após vacinação

Sinte diz que professores só retornam ao trabalho presencial no RN após vacinação

Rafael Nicácio abril 28, 2021 Destaques

O Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Rio Grande do Norte (Sinte/RN) reafirmou que o ensino presencial nas escolas públicas do Estado só será retomado após a vacinação em massa da categoria. A deliberação foi tirada em Assembleia virtual realizada na segunda-feira (26) ao longo de quatro horas e meia.

Contando com a participação de quase 800 trabalhadores em educação, um recorde absoluto em assembleias remotas promovidas no RN, foi reafirmado “que a redução da ocupação dos leitos críticos, a garantia de biossegurança nas escolas e o índice de transmissibilidade abaixo de 1,0 são outras condições determinantes para a retomada”.

O encontro ainda aprovou que o Sinte/RN deve protocolar uma Reclamação Constitucional junto ao Supremo Tribunal Federal (STF). A ideia é derrubar a decisão do juiz Artur Cortez Bonifácio, da 2ª Vara da Fazenda Pública da Comarca de Natal, que no último sábado (24) determinou que o Governo do Estado tinha 48 horas para permitir a retomada das aulas presenciais. O objetivo da entidade é manter a decisão que o STF proferiu em 2020, determinando que Estados e Municípios têm autonomia para estabelecer restrições na circulação de pessoas quando objetiva controlar a disseminação da Covid-19, com os decretos mais rígidos se sobrepondo aos mais brandos.

Por ora, o Governo do RN anunciou que vai recorrer da decisão do juiz Artur Bonifácio – medida que trouxe um certo alívio para a educação. Apesar do posicionamento do Executivo Estadual, ficou acertado que em 13 de maio, um dia após expirar o último decreto fixado pelo Governo, acontecerá nova assembleia virtual. Na ocasião, será avaliada a possibilidade de greve caso a categoria seja obrigada a voltar ao trabalho presencial em plena segunda onda da pandemia.

De forma unânime, os trabalhadores afirmaram que não dá para voltar a trabalhar presencialmente neste momento, embora desejem, “sobretudo porque o trabalho virtual aumentou em duas ou três vezes a carga horária”, diz o sindicato. “Ao contrário do que pensa uma parcela da sociedade, não paramos de trabalhar. Estamos trabalhando muito mais”, finalizou o Sinte..

Outros artigos