Negócios

Santander zera taxa de produtos de previdência para todos os clientes

Santander zera taxa de carregamento de produtos de previdência para todos os clientes

O Santander acaba de anunciar o fim da cobrança da taxa de carregamento – percentual pago pelos investidores na aplicação ou resgate dos recursos – de todos seus produtos de previdência, para todos os clientes. A decisão vale tanto para investidores que já têm recursos com o Banco quanto para novos aplicadores.

O banco já não cobrava taxa de carregamento dos clientes do segmento Private Banking. A partir de hoje, a isenção será estendida para clientes Select, com renda mensal a partir de R$ 10 mil e R$ 30 mil em investimentos, Van Gogh, com renda entre R$ 4 mil e R$ 10 mil, e do segmento Especial, com renda até R$ 4 mil.

“A taxa de carregamento sempre foi uma das mais criticadas pelo mercado, principalmente porque não é cobrada em qualquer outra modalidade de investimentos. Com a isenção, queremos aproximar o produto do público em geral e consolidá-lo como uma excelente solução de investimento de longo prazo”, afirma Gilberto Abreu, diretor de Investimentos do Santander.

Ainda segundo o executivo, há uma série de fatores que explicam as apostas no crescimento do produto:

1) a relação entre reservas de longo prazo (previdência) e Produto Interno Bruto (PIB) é muito baixa no Brasil, em torno de 6%. Quando comparada à do Chile, por exemplo, essa proporção é de 70%;

2) as mudanças na legislação que rege os investimentos dos produtos de previdência, promovidas pela Superintendência de Seguros Privados (Susep) no final do ano passado, permitem que os gestores sejam mais criativos e entreguem retornos atrativos;

3) a necessidade de reforma da previdência trará à tona o tema entre a população de modo geral;

4) maior percepção do mercado de previdência corporativo como um benefício necessário aos funcionários;

5) a possível tributação dos fundos exclusivos de investimentos atrairia algo em torno de R$ 400 bilhões para modalidades não tributadas.

“Sem dúvida alguma, os produtos de previdência são a melhor modalidade de investimentos em um prazo superior a 5 anos, momento em que a tabela regressiva do Imposto de Renda (IR), que pode chegar a 10%, faz diferença, independentemente do produto a ser comparado”, completa Abreu.

De acordo com dados da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima) os fundos de previdência somaram R$ 766,9 bilhões em patrimônio líquido ao final de julho deste ano, volume 12,3% maior quando comparado aos R$ 682,7 bilhões registrados em igual período do ano anterior.

You Might Also Like

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.