DestaquesUniverso

Rover Perseverance da NASA faz descobertas “completamente inesperadas” em Marte

Descoberta de compostos orgânicos podem conter possíveis biossinais (sinais de vida, passada ou presente)

Pesquisadores da missão Perseverance da NASA em Marte descobriram que a rocha sobre o qual seu rover tem viajado desde que pousou no planeta em fevereiro passado foi provavelmente formado de magma incandescente.

Os cientistas também concluíram que as rochas na cratera de Jezero interagiram com a água várias vezes ao longo de milhões de anos e que algumas contêm moléculas orgânicas.

As descobertas têm implicações para a compreensão e datação precisa de eventos críticos na história da cratera, bem como no resto do Planeta Vermelho, detalhou a equipe de pesquisa em um briefing durante uma reunião da American Geophysical Union (AGU) na quarta-feira (15) em Louisiana.

Pedra rica em olivinas

Mesmo antes de o rover pousar em Marte, a equipe científica da missão já questionava sobre a origem das rochas na área. Especificamente, eles se perguntaram se eram sedimentares (um acúmulo comprimido de partículas minerais que foram possivelmente transportadas para o local por um rio antigo) ou se, pelo contrário, eram ígneos, possivelmente nascidos em fluxos de lava que subiram para a superfície de um vulcão marciano extinto.

“Eu estava começando a me desesperar porque nunca encontraríamos a resposta”, disse Ken Farley, professor de geoquímica da Fundação WM Keck e cientista do projeto Perseverance. “Mas então nosso instrumento PIXL deu uma boa olhada em uma mancha envelhecida em uma rocha na área apelidada de ‘Seitah do Sul’, e estava tudo claro: os cristais dentro da rocha forneceram a evidência conclusiva”, acrescentou.

A broca no final do braço robótico do Perseverance pode raspar, ou triturar, superfícies rochosas para que outros instrumentos, como o PIXL (Instrumento Planetário para Litoquímica de Raios-X), possam estudá-las. Este instrumento usa fluorescência de raios-X para mapear a composição elementar das rochas e, em 12 de novembro, analisou uma rocha de Seitah do Sul. Os dados mostraram que a rocha, apelidada de ‘Brac’, é composta por uma abundância incomum de grandes cristais de olivina engolfados por cristais de piroxênio.

“Isso foi completamente inesperado e estamos lutando para entender o que significa”, disse Farley citado pela CNN. “Mas vou especular que provavelmente não é o chão da cratera original. Por causa do diâmetro desta cratera, esperamos que o chão da cratera original seja significativamente mais profundo do que onde estamos agora”, acrescentou.

Resta determinar se a rocha rica em olivina se formou em um lago de lava espesso que resfriou na superfície ou em uma câmara subterrânea que foi posteriormente exposta pela erosão.

Moléculas orgânicas

Outro grande anúncio foi a descoberta de compostos orgânicos pelo instrumento SHERLOC (Scanning Habitable Environments with Raman & Luminescence for Organics & Chemicals). As moléculas contendo carbono não são encontradas apenas dentro das rochas intemperizadas que o SHERLOC analisou, mas também na poeira das rochas não intemperizadas.

No entanto, confirmar a presença de substâncias orgânicas não significa que existiu vida na cratera de Jezero e deixou sinais reveladores, afirmaram os cientistas, explicando que existem mecanismos biológicos e não biológicos que criam orgânicos.

Luther Beegle, investigador principal do SHERLOC no Laboratório de Propulsão a Jato da NASA (JPL, sigla em inglês), disse que enquanto outro rover da agência espacial, Curiosity, já havia descoberto matéria orgânica na cratera Gale, o que Perseverance acrescenta é “sua capacidade de mapear a distribuição espacial dos compostos orgânicos dentro das rochas e relacionar esses orgânicos com os minerais lá encontrados”.

A preservação de matéria orgânica dentro de rochas antigas – independentemente de sua origem – nas crateras Gale e Jezero significa que possíveis biossinais (sinais de vida, passada ou presente) também poderiam ser conservados. “Este é um problema que pode não ser resolvido até que as amostras retornem à Terra, mas a conservação dos elementos orgânicos é muito emocionante. Quando essas amostras retornarem à Terra, elas serão uma fonte de pesquisa científica e descobertas por muitos anos. “adicionado.

Quer receber as principais notícias do Portal N10 no seu WhatsApp? Clique aqui e entre no nosso grupo oficial. Para receber no Telegram, clique aqui

Siga o Portal N10 no Google News para acompanhar nossas notícias. Clique na imagem abaixo!

Romário Nicácio

Administrador de Redes. Co-fundador do Portal N10 e do N10 Entretenimento. Redator de sites desde 2009, passando pelo Notícias da TV Brasileira (NTB), Blog Psafe e vários outros de temas variados. E-mail: romario@oportaln10.com.br

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Olá pessoal! O acesso ao nosso site é gratuito, porém precisamos da publicidade aqui presente para mantermos o projeto online. Por gentileza, considere desativar o adblock ou adicionar nosso site em sua white-list e recarregue a página.