Reserva de emergência é primordial para os negócios
Imagem de Shutterbug75 por Pixabay

Reserva de emergência é primordial para os negócios

abril 16, 2020 0 Por Rafael Nicácio

Além de uma crise de saúde pública, o novo coronavírus provocou uma grande crise na economia. Com o comércio fechado e as vendas paradas, os negócios sentem diretamente o impacto do isolamento social e alguns empresários sentem na pele a necessidade de contar com uma reserva extra para atravessar momentos como esse. “É muito importante que as empresas contem com uma reserva financeira, pois as contas continuam chegando e, como em muitos casos as receitas caíram bastante, com uma reserva as empresas conseguem se manter sólidas”, destaca Daniel Carvalho, contador e sócio da Rui Cadete Consultores.

A reserva de emergência deve ser encarada, de acordo com o especialista, como uma despesa fixa do mês, ou seja, mensalmente deve-se tirar do faturamento um valor específico para criar a reserva. “Indico optar por aplicações de liquidez imediata, que em um momento de necessidade o empresário consegue utilizar”, aconselha Daniel. Além de ter essa possibilidade de resgate imediato, esses investimentos podem render mais do que com o dinheiro parado. São alguns exemplos de aplicações os CDBs e o Tesouro Direto.

Porém, apesar de ser um fator primordial de um empreendimento, a reserva de emergência nem sempre é priorizada e as empresas podem sentir falta desse investimento em momentos de crise como este. Uma pesquisa realizada pelo JP Morgam Chase Institute indicava que metade das pequenas empresas americanas sobrevivem 27 dias com as portas fechadas. “Para as empresas que não possuem reservas nesse momento é importante analisar as linhas de créditos que foram concedidas e, principalmente, fazer uma análise das suas despesas para definir o que realmente é essencial nesse período”, aponta Daniel. O especialista dá algumas dicas para enfrentar as turbulências do período:

1 – Corte todos os gastos que sejam supérfluos dentro da sua empresa e da sua casa;

2 – Negocie os pagamentos com seus fornecedores;

3 – Crie formas alternativas para seu negócio, o importante é continuar gerando valor ao seu cliente;

4 – Não perca serviços ou produtos já vendidos, negocie para que o pagamento seja postergado e não cancelado;

5 – Negocie e envolva todos os seus funcionários nas mudanças da empresa, é hora de aproveitar todos os talentos que possui;

6 – Avalie com seu contador as medidas de emergência. Seja transparente sobre as decisões com seus colaboradores;

7 – Propague a necessidade de se consumir nos pequenos negócios;

8 – Não olhe apenas para a crise, mas se prepare também para o pós-crise.