Destaques, Política

Relator vê abuso de poder econômico na chapa Dilma-Temer

Dilma-e-Michel-Temer
Foto: Lula Marques/ Agência PT

(ANSA) – O ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) Herman Benjamin, relator do caso, indicou nesta quinta-feira (8) que votará pela cassação da chapa Dilma-Temer, vencedora das eleições presidenciais em 2014.

A quarta sessão do julgamento começou por volta de 14h45 e foi marcada novamente por momentos de tensão entre Benjamin e alguns colegas. Logo no início da leitura do voto, o ministro Admar Gonzaga acusou o relator de “fazer show para a plateia” e de tentar “constranger” os outros juízes ao criticá-lo por querer delimitar o caso ao caixa um.

“Aqui, quando eu falo de caixa dois, não é para constranger. Um dos pontos principais aqui, falados nesta manhã, é quando o senhor [Gonzaga] falou que só se tratava de caixa um. Não é para constranger. Nós seremos constrangidos pelos nossos atos, não pelos colegas”, rebateu Benjamin.

Em seu voto, ele afastou 12 imputações de abuso dos meios de comunicação, seis referentes a abuso de poder político pelo uso da máquina pública e três das imputações de abuso de poder econômico, concentrando-se na entrada de recursos ilícitos e gastos ilegais na campanha.

No entanto Benjamin afirmou que houve abuso de poder econômico no pagamento de R$ 4,5 milhões ao casal de marqueteiros João Santana e Mônica Moura, responsável pela campanha do PT em 2014, por meio do estaleiro Keppel Fels.

Os recursos teriam surgido de contratos da empresa com a Petrobras e abasteciam uma “conta de propina” administrada por João Vaccari Neto, ex-tesoureiro do Partido dos Trabalhadores. Outro pilar da acusação são os contratos da estatal com a Sete Brasil para a construção de navios-sonda, que teriam originado recursos ilegais para a chapa Dilma-Temer.

“Resta comprovado o abuso de poder econômico na coligação por força de recebimento de recursos de propina oriundos de contratos de navio-sonda envolvendo a Sete Brasil e a Petrobras”, disse o ministro, que também rebateu a tese das defesas de que as denúncias de caixa dois são referentes a 2010 e não teriam relação com 2014.

Benjamin mencionou em diversas ocasiões que as irregularidades eram parte de um projeto de “longuíssimo prazo”, o que ele chamou de “propina-gordura”, ou seja, diluída ao longo do tempo. Para ele, esse sistema de pagamentos ilícitos serviu para desequilibrar a disputa nas últimas eleições presidenciais.

O relator também citou em seu voto a Odebrecht, apesar de a maioria dos ministros ter indicado posição contrária à inclusão das delações da empreiteira no processo. De acordo com Benjamin, o ex-presidente da construtora Marcelo Odebrecht mantinha uma “conta-corrente” para irrigar os caixas do PT.

Essa conta recebia recursos de várias empresas do grupo Odebrecht, como a petroquímica Braskem. Quando a leitura do voto já passava de cinco horas, o ministro Luiz Fux, presidindo a sessão no lugar de Gilmar Mendes, solicitou a interrupção dos trabalhos, com o compromisso de que o julgamento termine nesta sexta-feira (9).

Com isso, Benjamin retomará a palavra às 9h, quando apresentará provas documentais e emitirá seu voto. Na sequência, os outros seis ministros terão 20 minutos cada para se pronunciar, seguindo esta ordem: Napoleão Nunes Maia Filho, Admar Gonzaga, Tarcísio Vieira, Luiz Fux, Rosa Weber e Gilmar Mendes.

O Palácio do Planalto acredita em uma vitória apertada por 4 a 3 – o mesmo placar indicado nos debates sobre as delações da Odebrecht. Independentemente do resultado, caberá recurso tanto ao próprio TSE como ao Supremo Tribunal Federal (STF).

You Might Also Like

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.