Portal N10

Química usada nas batatas fritas do McDonald’s pode combater a calvície

Cientistas japoneses experimentaram o método em ratos

Cientistas no Japão dizem que uma cura para a calvície pode ter sido encontrada em um produto químico usado para cozinhar batatas fritas do McDonald’s.

De acordo com o Evening Standard, os pesquisadores da Universidade Nacional de Yokohama descobriram que ao usarem o dimetilpolisiloxano químico, encontrado em silicone, e que é adicionado ao óleo para cozinhar batatas fritas na rede de fast food, eles poderiam produzir folículos capilares que auxiliariam no crescimento de cabelo quando transplantados para ratos.

“Testes iniciais sugerem que este método também pode ser usado para tratar a perda de cabelo em seres humanos”, relata o estudo.

Em um artigo publicado na revista Biomaterials, os cientistas disseram que foram capazes de gerar até 5.000 germes do folículo capilar simultaneamente – algo descrito em um comunicado de imprensa como “um dos obstáculos mais desafiadores para a medicina regenerativa do cabelo”.

regeneração cailar em ratos

“Os ratos que tiveram esses folículos transplantados nas costas. A partir daí, os cabelos escuros começaram a brotar nessas áreas”, disseram os pesquisadores.

E de acordo com Junji Fukuda, professora da universidade que ajudou a escrever o estudo, o uso do produto químico foi crucial para produzir com sucesso os germes do folículo capilar.

“Utilizamos o dimetilpolisiloxano permeável ao oxigênio no fundo do vaso e funcionou muito bem”, disse Fukuda.

Embora o produto químico tenha sido aparentemente útil para o experimento, ele não provoca o crescimento do cabelo. Portanto, comer mais batatas fritas do McDonald’s não fará com que o seu cabelo cresça.

A equipe de Fukuda tem esperança de que este método possa eventualmente ser usado para tratar a perda de cabelo em seres humanos.

“Este método simples é muito robusto e promissor”, disse Fukuda. “Esperamos que esta técnica melhore a terapia regenerativa do cabelo humano para tratar a perda de cabelo como a alopecia androgênica”.

You might also like

Leave A Reply

Your email address will not be published.