Destaques, Mossoró

Por suspeita de corrupção, chefe do IBAMA é preso em Mossoró

Foto: Divulgação

A Polícia Federal deflagrou nesta quinta-feira (1/2), em Mossoró, a Operação Corrupião, com o objetivo de interromper a prática de atos de corrupção atribuídos ao chefe da unidade do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA) daquela unidade.

Cerca de dez policiais federais cumpriram dois mandados expedidos pela 10ª Vara da Justiça Federal/RN, sendo um de prisão preventiva contra o acusado e, outro, de busca e apreensão, na sede daquela autarquia federal.

A investigação teve início em outubro de 2017, quando o IBAMA recebeu denúncia formulada por um pescador dando conta de que Armênio Medeiros da Costa – chefe daquela unidade, teria solicitado propina para que ele não fosse autuado durante um processo de fiscalização do órgão.

Assine nossa Newsletter e receba as principais notícias em seu e-mail. O artigo continua após o formulário!

Mantemos seus dados privados e os compartilhamos apenas com terceiros que tornam esse serviço possível. Veja nossa Política de Privacidade para mais informações.

Acionada, a Polícia Federal entrou no caso e interrogou o denunciante. Posteriormente, com o aprofundamento das investigações, restou evidenciado que a queixa formulada tinha sido apenas uma pequena amostra das extorsões que passaram a ser praticadas por aquele gestor, inclusive contra pessoas físicas e jurídicas de outras cidades do Alto Oeste Potiguar.

“O nome da operação faz referência a um conhecido pássaro encontrado na região de Caatinga e traz à luz a importância de se coibir com lisura e retidão a prática de ilícitos relacionados ao meio ambiente e ao ecossistema”, disse a assessoria da PF.

You Might Also Like

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.