Destaques, Dicas de Saúde

Por que a saúde emocional no trabalho importa?

Depressão atinge mais de 300 milhões de pessoas no mundo

Nos últimos anos, o Brasil adoeceu a um nível que pouco compreendemos: o emocional. É notório que temos uma rotina estressante: transporte público precário, empregos estafantes, poder de compra em queda, dupla jornada de trabalho, sono ruim, falta de tempo para atividades físicas e de lazer, enfim, uma qualidade de vida inferior. Segundo a OMS, a “saúde” consiste em saúde mental, física e social e essa tríade precisa estar em equilíbrio para que alguém seja considerado saudável.

Nada disso é novidade, porém, quando associamos estes fatores ao trabalho, área que ocupa a maior parte do nosso tempo, concluímos que a força de trabalho brasileira está debilitada. No ranking de países mais estressados, apurado pela International Stress Management Association (ISMA), o Brasil figura na segunda posição e só perde para o Japão. Segundo o estudo, realizado em 2017, o fator que mais causa estresse no brasileiro é o trabalho – cerca de 70% apontaram sofrer com a causa. Além disso, lidamos com a depressão – somos o 5º país no ranking dos mais deprimidos do mundo – e com a ansiedade, figurando em primeiro lugar no globo, com mais de 18 milhões de brasileiros convivendo com o problema. Os dados são da OMS e já demonstram que a ansiedade atinge um nível epidêmico.

Deixar as emoções e sentimentos internos de lado é um mau negócio para qualquer trabalhador ou empregador. Um profissional com saúde emocional comprometida não consegue desempenhar tarefas que exijam dele as habilidades não cognitivas necessárias para resolução de conflitos, como o trabalho em grupo, foco e automotivação. Em uma escalada contra problemas emocionais, reconhecer essa condição é o primeiro passo, enquanto negligenciar este cenário pode causar evolução para problemas como a síndrome de Burnout, que é derivada de estresse crônico.

Muitas companhias já têm implementado programas internos de apoio à saúde mental, entretanto, segundo levantamento da Mercer Marsh Benefícios, em 2017 apenas 41% das empresas mantinham investimentos em saúde mental e 9% pretendiam implementar algo. Já é um avanço na discussão sobre o tema, todavia, caminhamos a passos lentos já que os problemas emocionais correspondem a 3ª maior causa de absenteísmo, segundo Boletim sobre Benefícios por Incapacidade de 2017, divulgado pelo governo federal.

O assunto já tem pautado as contratações no Brasil. Oferecer ambientes descontraídos, flexibilização de horário e ausência de dress code são medidas que vão além do modismo e buscam, sobretudo, atrair pessoas que consigam se adaptar a estes “novos ambientes corporativos”.

É uma demanda por profissionais dotados de autoconhecimento sobre suas capacidades e limitações, com autocontrole para tomada de decisões estratégicas e resiliência para novos aprendizados. Neste sentido, os recrutadores se voltam para perfis com habilidades comportamentais em mesmo peso e importância que as habilidades técnicas. Não é à toa que o termo “inteligência emocional” tem sido um dos assuntos mais pesquisados na web pelos brasileiros, com crescimento de 340% nos últimos 5 anos, segundo Google Trends.

E o seu estresse, como anda? Abaixo, compartilho link para um autoteste da ISMA Brasil que permite avaliar o nível de estresse com relação as mudanças que ocorrem durante a vida.

Teste: www.ismabrasil.com.br/testes/teste-seu-nivel-de-stress


*Artigo escrito por Lilian Carmo, diretora executiva da Frebracis Campinas (Maior instituição de coaching das Américas)

You Might Also Like

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.