Pesquisadores chineses descobrem mutações incomuns no coronavírus

fevereiro 4, 2020 0 Por Rafael Nicácio
Pesquisadores chineses descobrem mutações incomuns no coronavírus

Uma equipe de pesquisadores de Pequim e Xangai afirma ter detectado mutações incomuns de coronavírus 2019-nCoV, o que poderia indicar que o vírus está se tornando mais adaptável e, portanto, um pouco mais perigoso.

Os vírus começam a evoluir depois que o sistema imunológico do organismo hospedeiro – incluindo os humanos – se adapta à infecção e começa a bloqueá-la quando tenta novamente se conectar às células.

Algumas dessas mutações, as chamadas sinônimas ou silenciosas, são menores e quase não têm efeito, mas as não-sinônimas afetam o aminoácido e geram alterações na sequência da proteína.

Os autores de um estudo recente publicado na National Science Review indicam que entre 30 de dezembro de 2019 e o final de janeiro de 2020, um total de 17 mutações não-sinônimas de coronavírus foram detectadas, o que poderia significar que o 2019-nCoV está se tornando mais adaptável.

A surpresa é que parte dessas mutações foi encontrada entre membros do mesmo grupo familiar que vive na província de Canton, no sul da China. Portanto, os pesquisadores indicam que a evolução viral pode ter ocorrido durante a transmissão de humano para humano.

No entanto, os cientistas admitem que, no momento, não observaram nenhuma mudança funcional no 2019-nCoV e que essas descobertas não são suficientes para confirmar sua evolução adaptativa. “Portanto, é necessária uma supervisão rigorosa da mutação, evolução e adaptação do vírus”, concluem os autores.

Coronavírus pelo mundo

Enquanto isso, o número de mortes por coronavírus 2019-nCoV no país asiático aumentou para 426. A este número é adicionado o falecimento de um cidadão chinês que morreu nas Filipinas. O número de infectados em todo o mundo excede 20.600, com casos relatados em mais de 20 países .

O surto do novo coronavírus já se espalhou para quatro continentes, o mais afetado é a Ásia. De acordo com os dados mais recentes do Centro Europeu de Prevenção e Controle de Doenças, além da China, também houve casos de infecção no Japão (20), Tailândia (19), Singapura (18), República da Coréia (16), Taiwan ( 10), Malásia (8), Vietnã (9), Emirados Árabes Unidos (5), Índia (3), Filipinas (2), Camboja (1), Nepal (1) e Sri Lanka (1).

Na Europa, os pacientes infectados foram registrados na Alemanha (12), França (6), Itália (2), Reino Unido (2), Rússia (2), Bélgica (1), Finlândia (1), Espanha (1) e Suécia (1). Os Estados Unidos (11), Canadá (4) e Austrália (12) também foram afetados.