Pesquisa Datafolha: 70% dos brasileiros acham que há corrupção no governo Bolsonaro

Pesquisa Datafolha: 70% dos brasileiros acham que há corrupção no governo Bolsonaro

Pesquisa Datafolha: 70% dos brasileiros acham que há corrupção no governo Bolsonaro

De acordo com pesquisa, os grupos que mais veem corrupção na gestão são mulheres (74%), jovens (78%) e moradores do Nordeste (78%)

Rafael Nicácio julho 11, 2021 Destaques

Presidente eleito sobre uma plataforma de tolerância zero com a corrupção, “Jair Bolsonaro não convence os brasileiros neste quesito“. É o que aponta pesquisa feita pelo Datafolha, que revela que para 70% dos adultos entrevistados pelo Instituto, há corrupção no atual governo.

A percepção é amplificada pelas suspeitas de irregularidades em contratos do Ministério da Saúde, colocadas à luz pela Comissão parlamentar de inquérito (CPI) da Covid. Acham que há corrupção na pasta 63%, e que o presidente sabia dela, 64%.

Os dados foram colhidos pelo instituto ao entrevistar 2.074 pessoas com mais de 16 anos, nos dias 7 e 8 de julho. A margem de erro é de dois pontos para mais ou menos.

Ainda de acordo com o Datafolha, os grupos que mais veem corrupção na gestão Bolsonaro são mulheres (74%), jovens (78%) e moradores do Nordeste (78%).

O presidente está com seu maior índice geral de reprovação, 51%, e 52% dos ouvidos o consideram desonesto —invertendo a impressão colhida em junho de 2020.

O único grupo pesquisado em que a opinião negativa sobre corrupção não é majoritária é o dos empresários (2% dos ouvidos), no qual 50% creem haver malfeitos, empatados com os 48% que discordam.

Já aqueles que acham que não há corrupção no governo federal perfazem 23% da amostra. Aqui, a crença na probidade do governo é maior entre homens (28%), pessoas com mais de 60 anos (29%), e os nichos evangélicos (30%) e moradores do Norte/Centro-Oeste (31%).

A apuração de irregularidades na venda de vacinas ao governo federal tem dominado o noticiário nas últimas semanas e chegou ao presidente, que viu ser aberto um inquérito pelo STF para investigar se ele prevaricou no caso.

A suspeita sobre a compra de vacinas veio à tona em torno da compra da vacina indiana Covaxin, quando a Folha revelou em 18 de junho o teor do depoimento sigiloso do servidor da Saúde Luis Ricardo Miranda ao MPF, que relatou pressão “atípica” para liberar a importação da Covaxin.

Desde então, o caso virou prioridade da CPI. A comissão suspeita do contrato para a aquisição do imunizante por ter sido fechado em tempo recorde, em um momento em que a vacina ainda não tinha tido todos os dados divulgados, e por prever o maior valor por dose, em torno de R$ 80 (ou US$ 15 a dose).

Meses antes, o ministério já tinha negado propostas de vacinas mais baratas do que a Covaxin e já aprovadas em outros países, como a Pfizer (que custava US$ 10).

Outros artigos