Destaques, Dicas de Saúde

Novo estudo indica que refrigerante “light” pode contribuir para diabetes e obesidade

refrigerante ligth diabetes obesidade
Foto: Wikimedia Commons

E se os refrigerantes que são vendidos como “light“, “zero” e “sem calorias” tivessem ligação com diabetes e obesidade? É precisamente isso que destaca um novo estudo que encontrou nos adoçantes sem calorias um relacionamento estranho e perigoso.

O estudo em questão foi apresentado esta semana na conferência anual de Biologia Experimental, um trabalho onde eles começam a indicar que adoçantes poderiam contribuir para problemas de saúde como diabetes tipo 2. Para fazer isso, os pesquisadores usaram ratos vulneráveis ​​ao desenvolvimento de diabetes.

rato de laboratório

Foto: Sipa / Pixabay

Durante três semanas, os grupos foram alimentados com uma alta dose de dois açúcares, glicose e frutose, e dois adoçantes artificiais comuns, aspartame e acessulfame de potássio. Eles então estudaram o sangue dos ratos usando uma técnica em larga escala que rastreia mudanças metabólicas minúsculas, conhecidas como metabolômica.

O principal autor do estudo, Brian Hoffman, revelou ao Gizmodo“Apenas após três semanas dando esses adoçantes e açúcares a nossos ratos suscetíveis ao diabetes, nós vimos mudanças bioquímicas no sangue que poderiam potencialmente levar a alterações no metabolismo de gordura e energia.”

Mas o que é o diabetes?

Diabetes é o que acontece quando nossos corpos não conseguem manter níveis adequados de glicose no corpo, um processo que é amplamente regulado pelo hormônio insulina. Esse colapso faz com que as pessoas parem de reagir à insulina como antes, ou parem de produzir insulina completamente. Acredita-se que o excesso de açúcar em nossas dietas ajude a causar diabetes sobrecarregando o mecanismo de produção de insulina do corpo, pois é usado para devolver os níveis de glicose no sangue ao normal.

Relação do adoçante com o diabetes

Por essa razão, os adoçantes artificiais têm sido expostos por muito tempo como uma forma de as pessoas consumirem doces e refrigerantes com segurança e perderem peso, sem aumentar o risco de diabetes. No entanto, as taxas de diabetes e obesidade continuam subindo rapidamente, mesmo quando os alimentos e bebidas ricos em adoçantes se tornaram amplamente disponíveis a partir da década de 1950.

refrigerante coca cola light

Foto: Lernestorod / Pixabay

Hoffman e sua equipe não apenas tentaram entender como o açúcar causa a cadeia de eventos que levam ao diabetes, mas também tentaram determinar se os adoçantes poderiam fazer o mesmo.

“Se adoçantes podem aumentar nosso risco de diabetes, eles provavelmente fazem isso de forma diferente do que o açúcar. Adoçantes enganam o corpo de alguma forma. E então, quando o seu corpo não está recebendo a energia necessária, porque ele precisa de um pouco de açúcar para funcionar adequadamente, você pode encontrar essa fonte em outro lugar.”

No sangue dos ratos, a equipe encontrou evidências do colapso das proteínas, o que provavelmente significa que seus corpos se voltaram para a queima de músculos como fonte de energia. Eles também encontraram níveis mais altos de lipídios e outras gorduras que, com o tempo, poderiam contribuir para a obesidade e o diabetes.

Outra pesquisa sugeriu que os adoçantes alteram a comunidade de bactérias que vivem no corpo humano, o microbioma, de uma forma que poderia levar a alterações metabólicas prejudiciais. E ainda mais pesquisas mostraram que dietas ricas em adoçantes artificiais estão associadas a um aumento do risco de diabetes e obesidade.

Hoffman está bem ciente dos esforços anteriores para vincular adoçantes com sérios riscos à saúde, mas diz que as coisas são diferentes neste caso: “A maioria desses adoçantes foram aprovados muito antes de termos a tecnologia para realizar estudos como no meu laboratório. Portanto, eles não puderam analisar em profundidade alguns dos potenciais efeitos que estão sendo causados. Ao conhecer as mudanças bioquímicas que estão causando esses estudos em larga escala, podemos adotar uma abordagem imparcial e ver quais mudanças nos dão uma direção melhor.”

A equipe de Hoffman planeja apresentar suas descobertas para discussão em vários periódicos revisados ​​por outros cientistas – ainda mais agora que eles estão atualmente estudando ratos alimentados com adoçantes por longos períodos de tempo. É provável que estudos futuros também incluam uma visão dos microbiomas de ratos. Em última análise, ele acredita que seu método poderia ser relativamente fácil de usar com as pessoas, uma vez que tudo o que seria necessário seria uma amostra de sangue para estudar pequenas alterações metabólicas.

Enquanto isso, você não precisa assustar os seus amigos desnecessariamente, diz o autor do estudo. “O que eu gosto de dizer às pessoas é que a maioria das coisas com moderação é o certo. Por esta razão, você pode desfrutar da sua bebida “light” aqui e ali. E se você gosta de um refrigerante normal perfeito também. O problema é quando as pessoas começam a consumi-las cronicamente, digamos que uma pessoa bebe duas, três ou até quatro dessas bebidas todos os dias, que devemos começar a nos preocupar. Porque você está começando a introduzir essas mudanças bioquímicas e o corpo não tem tempo para se recuperar.”

You Might Also Like

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.