Foto: Daniel Guimarães/A2img

Um acordo de leniência feito pela Odebrecht referente a pagamento de propinas para obras feitas pela empresa para o Metrô, Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) e Departamento de Estradas de Rodagem (Dersa), foi rejeitado por promotores do Ministério Público de São Paulo. Esse acordo procede de investigações ligadas à operação Lava Jato, feitas com o Ministério Público Federal (MPF) em Curitiba (PR).

De acordo com o Ministério, integrantes da Promotoria de Justiça do Patrimônio Público de São Paulo, decidiram que o MPSP “não vai aderir ao acordo de leniência fechado pela Odebrecht no plano federal”. A empresa, no entanto, informou que tentará uma nova negociação com o MP de São Paulo.

Alguns motivos foram primordiais para que o Ministério de São Paulo não aceitasse o acordo proposto. Entre eles, o Tribunal Regional Federal (TRF) de Porto Alegre “considerou irregular” a proposta realizada diretamente com o MPF. Outro argumento usado, é que existem diversas irregularidades no texto assinado pelo MPF, uma vez que é necessária anuência da Controladoria-Geral da União (CGU) e da Advocacia-Geral da União (AGU), o que não foi encontrado.

O acordo foi feito devido a Odebrecht ter sido acusada pelo MPF de ser integrante de um cartel que falsificava contratos da Petrobrás. O acordo entre a empreiteira e o MPF surgiu como sendo um tipo de delação premiada, fechado no final de 2016.

Na época, a empresa pediu desculpas ao país, por ter cometido “práticas impróprias”. A empresa afirmou que as ações praticadas foram um grande erro, “uma violação de nossos próprios princípios, uma agressão a valores consagrados de honestidade e ética”.

Assine nossa Newsletter e receba as principais notícias do Portal N10 em seu Whatsapp totalmente grátis. Clique no ícone do WhatsApp para ser incluído (não se esqueça de salvar nosso número na sua lista de contato!).

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.