Política

MP 792 será reeditada por falta de aprovação na Câmara e no Senado

Foto: Marcelo Camargo/ Agência Brasil

Com o objetivo de reduzir despesas com a folha de pagamento dos servidores, a Medida Provisória 792 foi editada em julho deste ano e impõe regras para o Programa de Desligamento Voluntário (PDV) – a jornada de trabalho reduzida e a licença sem remuneração para servidores públicos federais -. Nesta terça-feira (28), o Ministério do Planejamento informou sobre a reedição da Medida.

O motivo é que, para que a MP pudesse virar lei, seria necessário que o texto base tivesse ao menos ter sido aprovado em até 120 dias por votações nos plenários da Câmara dos Deputados e do Senado. Como não teve a aprovação, o texto perdeu a validade nesta terça e deverá ser reapresentado ao Congresso contendo as mesmas regras. Os incentivos previstos na MP do PDV são oferecidos para servidores da administração pública federal direta, autárquica e fundacional.

Para o ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira a MP 792 é de um “instrumento moderno, ajustado às condições fiscais atuais, que se apresenta como um caminho prudente e gradual para o servidor que deseje um dia deixar o serviço público em definitivo”, disse. Acrescentando ainda que esse é o primeiro passo para os servidores que querem deixar seus cargos. Até o momento, desde a sua criação, 240 servidores aderiram ao programa. Setenta e seis servidores aderiram ao PDV, 153 reduziram a jornada diária e 10 aderiram à licença incentivada.

Entre algumas regras que serão mantidas com a nova Medida Provisória 792 estão:

1 – Incentivo de 1,25 salário por ano trabalhado para o servidor que quisesse deixar o serviço público em definitivo. Quem, por exemplo, trabalhou por dez anos, tem direito a uma remuneração de 12,5 salários mensais extras;

2 – requisitos para a adesão ao PDV;

3 – A permissão de que o servidor reduza sua jornada de trabalho de oito horas diárias para seis ou quatro horas, com pagamento adicional de meia hora diária;

4 – Além de autorizar que, servidores que estão em licença, possam realizar atividades remuneradas privadas.

 

You Might Also Like

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.