Maternidade Januário Cicco é eleita pela Anvisa uma das melhores do Brasil

A Maternidade Escola Januário Cicco da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), filial da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), está entre as melhores do Brasil em termos de adesão às práticas de segurança do paciente, de acordo com a lista publicada recentemente pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

O levantamento faz parte do primeiro ciclo de autoavaliação das Práticas de Segurança do Paciente em Serviços de Saúde, realizado em 2016, contemplou os hospitais de todo o Brasil que possuem UTI adulto. O objetivo é promover a cultura da segurança no ambiente institucional, enfatizando a gestão de riscos, o aprimoramento da qualidade e a aplicação das boas práticas, além de diagnosticar as práticas realizadas pelos serviços de saúde com leito de UTI e, a partir das informações coletadas, propor ações no nível local e nacional.

A Maternidade Januário Cicco conquistou conformidade alta de 67% de indicadores de estrutura e processo avaliados. Todos os hospitais foram avaliados em 15 critérios relacionados às práticas de segurança do paciente, como a instituição do Núcleo de Segurança do Paciente (NSP), o protocolo de prática de higiene das mãos, o protocolo de cirurgia segura e o protocolo de identificação do paciente, entre outros.

“O reconhecimento pela ANVISA evidencia a cultura da segurança do paciente valorizada pela maternidade, reforçando o nosso compromisso no que tange a qualidade do serviço prestado ao paciente e ao seu familiar”, afirma Maria da Guia de Medeiros Garcia, gerente de Atenção à Saúde, da MEJC.

Essa autoavaliação é um desdobramento da Resolução da Diretoria Colegiada (RDC), nº 36 da ANVISA, de 25 de julho de 2013, a qual instituiu ações para a segurança do paciente em serviços de saúde. Segundo Edna Marta, chefe do Setor de Vigilância em Saúde da maternidade, a instituição já realizava ações e atividades para o atendimento das Metas Internacionais de Segurança do Paciente. “Já tínhamos várias normas e protocolos implantados que comungavam com os protocolos de segurança do paciente do Ministério da Saúde. A RDC só veio fortalecer essas ações”, disse.

Para a superintendente da maternidade, Sônia Barreto, o resultado alcançado além de dar visibilidade institucional a nível nacional, ajuda a reforçar o trabalho desenvolvido ao longo dos anos. “ A avaliação realizada pela ANVISA nos faz crer que estamos no caminho certo e nos motiva a continuar a trajetória de 67 anos de uma instituição de referência e que é fonte de estudos e de práticas assistenciais de ponta”, comenta.

você pode gostar também

Deixe um comentário

error: Conteúdo protegido, entre em contato ([email protected]) para solicitar a matéria!