Exoplaneta pode ter criado nova atmosfera e surpreende cientistas
Imagem artística: NASA / JPL-Caltech

Exoplaneta pode ter criado nova atmosfera e surpreende cientistas

O exoplaneta rochoso GJ 1132b parece ter perdido sua atmosfera, mas desde então desenvolveu uma nova por meio de atividade vulcânica, revela um novo estudo aceito para publicação no The Astronomical Journal. A descoberta do planeta, localizado a cerca de 41 anos-luz da Terra,  foi  anunciada pela primeira vez em 2015. Ele tem 1,66 vezes a massa e 1,16 vezes o tamanho do nosso planeta.

“Nós relatamos a detecção de uma atmosfera em um exoplaneta rochoso, GJ 1132b, que é semelhante à Terra em termos de tamanho e densidade, escreveram os autores da pesquisa, que foi baseada em observações do Telescópio Espacial Hubble da NASA

Supõe-se que o planeta começou como um mundo gasoso muito maior do que a Terra, uma espécie de ‘subnetuno’, com uma espessa camada de hidrogênio na atmosfera. Em seguida, ele perdeu rapidamente sua atmosfera de hidrogênio e hélio devido à intensa radiação da jovem estrela quente que orbita. No entanto, para surpresa dos astrônomos, o Hubble conseguiu observar uma “atmosfera secundária” agora presente.

“É muito emocionante porque pensamos que a atmosfera que vemos agora foi regenerada, então poderia ser uma atmosfera secundária. Primeiro pensamos que esses planetas altamente irradiados poderiam ser muito enfadonhos, porque pensamos que eles haviam perdido suas atmosferas. Mas olhamos para observações existentes deste planeta com o Hubble e dissemos, ‘Oh não, há uma atmosfera lá'”, disse a co-autora do estudo Raissa Estrela, do Laboratório de Propulsão a Jato (JPL) da NASA em Pasadena, Califórnia.

Graças às observações do Hubble e à computação, a equipe argumentou que a atmosfera agora consiste em hidrogênio molecular, cianeto de hidrogênio, metano e também contém uma névoa de aerossol, que é baseada em hidrocarbonetos produzidos fotoquimicamente, semelhante ao nevoeiro na Terra. Os cientistas acreditam que o hidrogênio atmosférico atual é o hidrogênio da atmosfera original que foi absorvido pelo manto de magma derretido do planeta e agora é lentamente liberado por meio de processos vulcânicos. Espera-se que a atmosfera que vemos hoje seja reabastecida continuamente para equilibrar o hidrogênio que continua escapando para o espaço, explicam os cientistas.

Esta é a primeira vez que uma “atmosfera secundária” foi detectada em um planeta fora do Sistema Solar. As descobertas também podem ter implicações para outros exoplanetas.

O GJ 1132b e a Terra têm densidades, tamanhos e idades semelhantes, ambos com cerca de 4,5 bilhões de anos. Os dois planetas começaram com uma atmosfera dominada por hidrogênio e tinham temperaturas muito altas antes do resfriamento. Os astrônomos até sugerem que os dois têm pressão atmosférica semelhante em suas superfícies.

Ao mesmo tempo, os planetas têm histórias de formação muito diferentes. A Terra não parece ser o núcleo sobrevivente de um ‘subnetuno’. Além disso, ele orbita a uma distância confortável de nosso Sol, enquanto o GJ 1132b está tão perto de sua estrela anã vermelha que completa uma órbita ao seu redor uma vez a cada dia e meio.

Esta notícia foi interessante para você? Compartilhe com seus amigos!

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: