Economia

Especialistas acreditam que alta do dólar favorece viagens pela América Latina

Foto: Divulgação

Na penúltima semana de maio, o dólar turismo atingiu, em um só dia, uma alta de 1,02%, chegando a R$ 3,95. É a moeda utilizada para comprar pacotes de viagens, passagens aéreas ou produtos no mercado turístico, por exemplo. O dólar comercial, este usado para negociações entre Estados, fechou a sexta-feira, 18 de maio, cotado a R$ 3,74, uma alta de 1,04%.

O recorde histórico, cabe lembrar, foi de R$ 4,74 em 23 de setembro de 2015. Naquele mês, a alta acumulada foi de 10,04%.

Desde então, o dólar nunca voltou aos patamares anteriores, quando era negociado abaixo de R$ 3. Isso significou o encarecimento do mercado de viagens brasileiro, que aqueceu no final da década de 2000 e gerou prosperidade às agências. Para o professor Fábio Gallo, da Fundação Getúlio Vargas de São Paulo, as altas não significam que os preços serão mantidos, mas que um novo patamar foi instaurado a partir de agora.

“O rally do dólar começou pesado. No primeiro momento, o dólar sobe bastante e depois se acomoda em um patamar mais baixo do que está hoje, mas deve ficar em algo perto de R$ 3,50. Não volta ao que era antes. Isso afeta de imediato a área de turismo, porque está muito caro”, disse à Agência Brasil.

A alta no dólar, segundo analistas do setor de turismo, deve impulsionar as viagens de brasileiros aos vizinhos sul-americanos e desincentivar grandes deslocamentos, como em direção a Europa ou aos Estados Unidos.

A Argentina, principalmente, deve se beneficiar, já que o dólar chegou a custar 24 pesos no começo do mês, fazendo com que o Banco Central do país interviesse na economia vendendo US$ 1,1 milhão em reservas para frear o avanço do câmbio. Na sexta-feira, 11 de maio, o dólar fechou o dia cotado a 23,73 pesos – um recorde histórico.

Apesar de não ser gigante, o setor turístico na Argentina tem um impacto significativo em regiões diferentes, como Ushuaia, El Calafate e a própria capital, Buenos Aires. A desvalorização da moeda argentina, segundo os observadores locais, atrairá turistas de outros países, como os sul-americanos, que podem pagar mais barato pelos mesmos serviços no país, além da possibilidade de encontrar passagens aéreas baratas.

No Brasil, na semana seguinte à desvalorização do peso, alguns jornais passaram a enfatizar os preços mais em conta que os brasileiros iriam encontrar para viajar ao país vizinho. Como o real também sofreu quedas constantes no seu valor em relação do dólar, o impacto nas passagens aéreas não foi tão significativo, mas os custos para comer, se hospedar e se locomover na Argentina ficaram relativamente menores.

Para o diretor-executivo da Associação Brasileira de Agências de Viagens (Abav), Gervásio Tanabe, o dólar mais alto fará com que as pessoas repensem viagens que já estavam planejadas para a Europa, por exemplo, por causa dos custos elevados durante o período no exterior.

“Há uma preocupação de quanto vai gastar em função da alta dólar porque não é só passagem e hotel. Tem o consumo, as compras… Então, ele pensa em economizar um pouco mais”, disse. “Os destinos brasileiros têm muito a ganhar com essa alta do dólar”, completou em entrevista à Folha de S. Paulo.

De acordo com dados do Banco Central, os gastos de brasileiros no exterior chegaram a US$ 4,9 bilhões no primeiro trimestre de 2018, quando o dólar ainda permanecia estável. O montante significou uma alta de 10,2% em relação ao mesmo período do ano passado, quando os turistas do Brasil gastaram US$ 4,4 bilhões em outros países. Segundo o banco, os números de janeiro, fevereiro e março deste ano foram os maiores desde 2015, quando US$ 5,2 bilhões saíram dos bolsos de brasileiros viajando pelo mundo.

Tanabe, entretanto, projeta que o crescimento do mercado turístico brasileiro, tanto interno quanto externo, seguirá a rota de crescimento dos anos anteriores, entre 8% e 10%. “As agências são muito criativas. Vão buscar mecanismos de fazer com que diminua pouco as viagens ao exterior, facilitando o prazo de pagamentos para o consumidor, congelando o câmbio”, disse.

Gallo, da FGV, é mais direto: quem estiver pensando em viajar nos próximos meses, que o faça pela América Latina. “O melhor é fazer outra opção. Quem viaja ao exterior leva uma parte dos recursos em moeda, outra em cartão de débito pré-pago e outra no cartão de crédito. Tudo isso pode ficar muito caro, principalmente no cartão de crédito porque o turista não sabe onde vai parar o dólar”, finalizou.

Assine nossa Newsletter e receba as principais notícias do Portal N10 em seu Whatsapp totalmente grátis. Clique no ícone do WhatsApp para ser incluído (não se esqueça de salvar nosso número na sua lista de contato!). Fale conosco!

You Might Also Like

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.