Contra a decisão referente a anulação de critérios de correção da redação do Enem 2017 de eliminar candidatos que usem termos em despeitos aos direitos humanos em redação da prova, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), entrou com uma solicitação no Supremo Tribunal Federal para rever o veredito judicial provisório.

O requerimento de suspensão, que foi solicitado através da Advocacia-Geral da União (AGU), vai ser analisado pela presidente do STF, ministra Cármen Lúcia. No documento da petição, o Inep cita a Constituição Federal, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação e pactos internacionais dos quais o Brasil é signatário. E argumenta que “a educação está indissociavelmente associada aos direitos humanos, assunto que deve ser objeto de avaliação na prova como um todo, e não apenas em determinada competência”.

O Instituto ainda informou que foi comprometimento do Estado brasileiro em defender e promover os direitos humanos fundamentais, inclusive mediante medidas legais e educativas. O recurso diz o seguinte: “o rigor do critério de correção adotado pelo Inep visa proteger os estudantes contra a violência dos discursos que agridem os direitos humanos e a própria democracia, independente de inclinações políticas ou ideológicas”. O Inep complementa ainda que a norma tem “a finalidade de chamar a atenção para a importância do debate nas escolas”.

Na semana passada, uma decisão do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1) suspendeu um trecho do edital do Enem que determinava a anulação da prova que incluísse trechos com desrespeito aos direitos humanos em qualquer parte da redação.

Em 2016, das quase 5,9 milhões de redações anuladas, 0,08% tiveram nora zero por desrespeitar os direitos humanos. Segundo dados do Inep, 4.798 é o número exato de candidatos que defenderam ideias contrárias ao abordar o problema da intolerância religiosa e, por causa disso, tiveram a prova anulada.

Assine nossa Newsletter e receba as principais notícias do Portal N10 em seu Whatsapp totalmente grátis. Clique no ícone do WhatsApp para ser incluído (não se esqueça de salvar nosso número na sua lista de contato!).

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.