Em posse de ministro, Bolsonaro fala em encerrar o isolamento
O presidente Jair Bolsonaro e o novo ministro da Saúde, Nelson Teich, durante pronunciamento no Palácio do Planalto (Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil)

Em posse de ministro, Bolsonaro fala em encerrar o isolamento

abril 17, 2020 0 Por Romário Nicácio

Ponto de discórdia que causou a demissão de Luiz Henrique Mandetta, o isolamento social foi pauta na cerimônia de posse de Nelson Teich como ministro da Saúde, realizada nesta sexta-feira (17).

O presidente Jair Bolsonaro afirmou que está na hora de encerrar o isolamento por causa da pandemia do novo coronavírus. “O que eu acredito e que muita gente está tendo consciência é que tem que abrir”, disse o presidente, contrariando pareceres da maior parte da comunidade científica e da Organização Mundial da Saúde (OMS).

O novo ministro da Saúde afirmou que esse é o “maior desafio” para o qual já se propôs a trabalhar, especialmente, pelo mundo estar em meio à pandemia do novo coronavírus (Sars-CoV-2). Sem citar planos específicos, o oncologista diz que o foco de sua gestão serão as pessoas.

Na vez do presidente Jair Bolsonaro, no entanto, o recado foi mais claro. O mandatário pediu que Teich pense “em uma alternativa” entre a visão dele e a do ex-ministro Luiz Henrique Mandetta.

“Tenho certeza que ele [Mandetta] fez o que achava que tinha que ser feito. Tenho certeza que ele sai com a consciência tranquila. Mas, a visão minha é um pouco diferente do ministro que está focado em seu Ministério. A minha ter que ser mais ampla, e isso está sob minha responsabilidade. Eu não posso me omitir e seguirei aquilo que o povo que votou em mim quer que eu faça. Mandetta focava na saúde e na vida das pessoas, a minha é da vida e da economia”, disse Bolsonaro.

Mais enfático, voltou a dizer que “nós temos que abrir o comércio” porque o vírus não pode ser pior que o tratamento.

“Tenho certeza que ele deu o melhor de si e eu agradeço do fundo do coração. A história, lá na frente vai nos julgar, e eu peço a Deus para que nós dois estejamos tomando as decisões certas”, pontuou.

Ao falar da abertura, Bolsonaro destacou que esse “é um risco que eu corro, que se agravar a doença, isso vai cair no meu colo” e reafirmou “tem que abrir o comércio”. Além disso, citando o ministro da Justiça, Sergio Moro, o presidente falou que quer começar a reabrir as fronteiras, especialmente com o Paraguai e o Uruguai.

Citando a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de que os estados e as cidades são soberanos em suas medidas de restrição para proteger a saúde dos moradores, Bolsonaro afirmou que não pode “intervir em muita coisa”, mas criticou a prisão de pessoas que não estavam respeitando a quarentena. “Não vou pregar a desobediência civil”, ressaltou.

Voltando a pressionar sobre as questões econômicas, o mandatário disse que não quer “vencer a pandemia” e depois ter que chamar o ministro da Economia, Paulo Guedes, para “sanar as consequências da economia que está sofrendo sérios reveses”.

Do Portal N10 com Agência ANSA

Esta notícia foi interessante para você? Compartilhe com seus amigos!