Destaques, Saúde

Doadores voluntários de sangue ainda são minoria nos hemocentros

doar sangue hemonorte rio grande do norte
Foto: Gabriel Souza/ Sinmed RN

Em uma rápida doação de sangue, cerca de 450 ml do material são coletados em uma bolsa especialmente produzida para garantir a preservação do líquido precioso. Essa quantidade é suficiente para salvar até quatro vidas, uma vez que o tecido é separado em diferentes componentes – plasma, hemácias, leucócitos e plaquetas – capazes de atender pacientes vítimas de acidentes de trânsito, hemorragia, câncer e as mais diversas ocorrências.

Apesar disso, dados obtidos em 2016 pelo Ministério da Saúde indicam que 1,6% da população brasileira – 16 a cada mil habitantes – doa sangue. O número fica dentro dos parâmetros da OMS de pelos menos 1% da população. Com o objetivo de dar maior visibilidade ao tema e sensibilizar novos doadores, no dia 14 de junho é celebrado o Dia Mundial do Doador de Sangue.

No Rio Grande do Norte, o ideal seria atingir um estoque de 800 a 1000 bolsas/dia para ter o suprimento de sangue suficiente e garantir as transfusões realizadas em toda a rede pública de saúde abastecida pelo Hemonorte, além de alguns hospitais da rede privada. “Diariamente o hemocentro recebe uma média de 100 a 200 bolsas. O número de doações voluntárias ainda é menor, se compararmos com as doações de reposição, que são aquelas feitas por parentes e amigos de pacientes internados”, afirmou o médico João Cláudio Martins da Silva, coordenador da Divisão de Triagem do Hemocentro Dalton Cunha. ´

Uma das alternativas encontradas para aumentar o número de doações voluntárias no Estado tem sido a criação de campanhas que colocam o ato de doar no cotidiano dos potiguares. “Estamos levando nossa unidade móvel para shoppings, igrejas e universidades para despertar esse sentimento solidário nos jovens”, finalizou João Cláudio.

hemonorte

Foto: Divulgação

Apesar da criação de campanhas de doação realizadas em todo o mundo, o número de voluntários dispostos a realizar doação não é suficiente. Segundo a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), desde 2015 apenas 45% do sangue para transfusões na América Latina e no Caribe foi obtido através da doação voluntária. Um aumento de 38,5% em relação a 2013, mas distante de atingir a meta de 100% estabelecida pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

A estudante Viviane Renata Camilo Araújo (19) decidiu doar sangue, pela primeira vez, em um das passagens da unidade móvel do Hemonorte pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte. “Era muito difícil dar uma pausa na minha rotina para doar sangue. Se tornou mais acessível realizar o procedimento na própria universidade”, contou a jovem, que agora ficar atenta ao cronograma da unidade móvel. “É importante que um grande número de pessoas se mobilizem para doar com frequência, e manter os bancos abastecidos”, acredita.

A diretora do Sindicato dos Médicos do RN (Sinmed), Leda Virginia Pandolphi, alerta para a importância da doação de sangue para salvar vidas. “No dia a dia dos hospitais é comum os pacientes precisarem de uma transfusão de sangue de forma imediata. É um procedimento fundamental para salvar vidas”, disse. A médica também esclarece que a população não precisa ter medo. “É totalmente seguro, não existe risco para quem doa, nem para quem recebe. Precisamos estimular, cada vez mais, essa prática de amor e solidariedade”, finalizou.

You Might Also Like

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.