Cientistas criam embrião metade humano, metade macaco

Cientistas criam embrião metade humano, metade macaco

Cientistas criam embrião metade humano, metade macaco

Rafael Nicácio maio 5, 2021 Ciência

Pesquisadores da China e dos Estados Unidos injetaram células-tronco humanas em embriões de primatas e conseguiram cultivar embriões quiméricos por um período de tempo considerável: até 20 dias.

A pesquisa, apesar de seus problemas éticos, tem o potencial de fornecer novos insights sobre a biologia do desenvolvimento e da evolução. Também pode ajudar no desenvolvimento de novos tratamentos para doenças humanas.

“Como não podemos realizar certos tipos de experimentos em humanos, é essencial que tenhamos melhores modelos para estudar e entender a biologia humana e as doenças humanas com maior precisão”, explica Juan Carlos Izpisua Belmonte, do Salk Institute of Biological Sciences nos EUA e coautor do estudo. “Um objetivo importante da biologia experimental é o desenvolvimento de sistemas modelo que permitam estudar doenças humanas em condições in vivo.”

As quimeras entre diferentes espécies de mamíferos são geradas a partir da década de 1970, quando eram feitas com roedores e serviam para estudar os primeiros processos de desenvolvimento.

O avanço que tornou o estudo atual possível veio no ano passado, quando a equipe colaboradora neste estudo, liderada por Weizhi Ji da Universidade de Ciência e Tecnologia de Kunming, Yunnan, China, desenvolveu uma tecnologia que permitiu que os embriões de macaco permanecessem vivos e crescessem fora do corpo-mãe por um longo período de tempo.

No estudo atual, seis dias após a criação dos embriões de macaco, 25 células humanas foram injetadas em cada um deles. As células foram derivadas de uma linha de células pluripotentes induzidas, especificamente células-tronco pluripotentes estendidas, que têm o potencial de contribuir para os tecidos embrionários e extra-embrionários.

Cientistas criam embrião metade humano metade macaco

Após um dia, células humanas foram detectadas em 132 embriões. Aos 10 dias, 103 dos embriões quiméricos ainda estavam em desenvolvimento.

A sobrevivência logo começou a diminuir e, no dia 19, apenas três quimeras ainda estavam vivas. No entanto, é importante notar que a porcentagem de células humanas nos embriões permaneceu alta ao longo do tempo em que continuaram a crescer.

Os autores dos experimentos publicaram os detalhes deles na revista acadêmica Cell, sob o título de “Contribuição quimérica de células-tronco pluripotentes estendidas humanas para embriões de macaco ex vivo“.

Quer receber as principais notícias do Portal N10 no seu WhatsApp? Clique aqui e entre no nosso grupo oficial.

Outros artigos