Brasil tem mais de 6,8 mil casos de Covid-19 e 240 mortes

abril 1, 2020 0 Por Romário Nicácio
Brasil tem mais de 6,8 mil casos de Covid-19 e 240 mortes

(ANSA) – O Ministério da Saúde anunciou nesta quarta-feira (1) que o número de mortes devido ao novo coronavírus (Sars-CoV-2) no Brasil subiu para 240, um aumento de 39 óbitos nas últimas 24 horas, com taxa de letalidade de 3,5%.

De acordo com os dados, a quantidade de casos confirmados no país é 6.836 até o momento. No último balanço, na terça-feira (31), o total de infectados era de 5,717 e 201 mortes confirmadas.

Em comparação a ontem, o Brasil registrou uma queda no número de diagnósticos, passando de 1.138 para 1.119 em um dia. Já a quantidade de mortes em 24 horas também foi menor, de 42 caiu para 39.

As novas vítimas foram contabilizadas nos estados do Ceará (1), Minas Gerais (1), Paraíba (1); Pernambuco (2); Rio Grande do Norte (1); Rio de Janeiro (5); e São Paulo (28).

Ao todo, os óbitos ocorreram nos seguintes estados: Alagoas (1), Amazonas (3); Bahia (2); Ceará (8); Distrito Federal (3); Goiás (1); Maranhão (1); Mato Grosso do Sul (1); Minas Gerais (3); Paraná (3); Paraíba (1); Pernambuco (6); Piauí (4); Rio Grande do Norte (2); Rio Grande do Sul (4); Rio de Janeiro (23); Rondônia (1); Santa Catarina (2); e São Paulo (136)

Auxílio – Nesta manhã, o governo brasileiro anunciou cerca de R$ 200 bilhões em medidas para socorrer trabalhadores e empresas e ajudar estados e municípios no enfrentamento aos efeitos da crise provocada pela pandemia do novo coronavírus.

Em pronunciamento à imprensa no Palácio do Planalto, Bolsonaro explicou que, de hoje para amanhã, serão editadas três medidas provisórias (MP) e sancionado o projeto que prevê o auxílio emergencial de R$ 600 para trabalhadores informais, autônomos e sem renda fixa.

Também na manhã de hoje, foi publicada, em edição extra do Diário Oficial da União (DOU), a Medida Provisória (MP) 933/2020, que suspende por 60 dias o reajuste anual de preços de medicamentos para o ano de 2020. Com a suspensão, que entrou em vigor ontem (31), o aumento só poderá ser realizado a partir de 1° junho. (ANSA – Com informações da Agência Brasil)