Destaques, Política

Brasil já discute impeachment, renúncia e novas eleições

Foto: Lula Marques/ AGPT

(ANSA) – Michel Temer completou um ano na Presidência do Brasil há apenas seis dias. Apesar de toda a instabilidade política causada pelo impeachment da petista Dilma Rousseff, pela crise econômica que assola o país e pelos protestos da oposição, o peemedebista enfrenta nesta quinta-feira (18) sua maior crise, com risco de tirá-lo do cargo.

Delatores disseram na noite de ontem (17) terem um áudio bombástico no qual Temer autoriza o pagamento de suborno para manter calado o ex-deputado Eduardo Cunha. A conversa foi gravada pelos empresários Joesley e Wesley Batista, donos do grupo JBS, que fizeram acordo de delação premiada, a qual ainda não foi homologada e cita também outra negociação envolvendo o senador Aécio Neves (PSDB). A dupla contou ao ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), que tinha gravado em março as palavras de Temer sobre Cunha.

O presidente logo negou o teor das delações e garantiu que não renunciará ao cargo. Mas movimentos políticos prometem sair às ruas nesta quinta-feira para exigir a renúncia de Temer e a convocação de novas eleições, apesar da Constituição prever um pleito indireto.

Ontem à noite, um grupo já se reuniu na Avenida Paulista, em São Paulo, pedindo “Fora, Temer”. Entre os manifestantes, havia apoiadores do PSOL e do Movimento Sem Terra (MST), que milita a favor de Dilma e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Em Brasília, foram protocolados dois pedidos de impeachment de Temer. O primeiro partiu do deputado Alessandro Molon, da Rede, alegando crime de responsabilidade. O outro pedido veio do terceiro-secretário da Câmara, João Henrique Holanda Caldas, do PSB. A oposição também se uniu em uma nota assinada por PT, PDT, PC do B, PSB, PSOL e Rede para anunciar um fórum permanente de ação para pedir a renúncia ou o afastamento de Temer. Mas, desde o mês passado, tramita na Câmara outro requerimento de impeachment, aberto por ordem do ministro Marco Aurélio Mello, do STF. Só que a comissão especial que analisará o pedido ainda não foi instalada.

Apesar dos pedidos de impeachment, muitos parlamentares defendem que Temer opte pela renúncia, que é mais rápida que todo o processo de afastamento via Congresso. Outra opção seria acelerar o julgamento no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) do processo da chapa Dilma-Temer, marcado para 6 de junho. Com impeachment ou renúncia, caso Temer saia do poder, são realizadas eleições indiretas para a Presidência. O novo mandatário seria escolhido pelo Congresso, ideia à qual muitos brasileiros já se manifestam contrariamente.

Nesse sentido, o presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, deputado Rodrigo Pacheco (PMDB), afirmou que avaliará a possibilidade de pautar nos próximos dias no colegiado a votação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que prevê eleições diretas para presidente.

Assine nossa Newsletter e receba as principais notícias do Portal N10 em seu Whatsapp totalmente grátis. Clique no ícone do WhatsApp para ser incluído (não se esqueça de salvar nosso número na sua lista de contato!). Fale conosco!

You Might Also Like

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.