DestaquesMundo

Austrália, EUA e Reino Unido começam a evacuar famílias de seus funcionários da Ucrânia

Decisão se deve à "ameaça contínua de ação militar russa"; OTAN reforça fronteiras com navios e aeronaves de guerra

Os governos de pelo menos três países começaram a retirar funcionários e familiares de seus diplomatas das embaixadas da Ucrânia.

As autoridades da Austrália anunciaram nesta segunda-feira (24) que começam a evacuar as famílias dos seus diplomatas de Kiev devido à alegada possibilidade de uma escalada da tensão com a Rússia e alertaram os seus cidadãos a não viajarem para a Ucrânia, além de recomendar que os que lá estão abandonem o país, uma vez que os voos podem sofrer mudanças ou serem suspensos a curto prazo, relata o The Sydney Morning Herald.

“Os serviços consulares e nossa capacidade de fornecer assistência consular aos australianos podem ser limitados devido às circunstâncias locais”, afirmou o governo federal. “Os australianos que optarem por permanecer na Ucrânia devem revisar seus planos de segurança pessoal, estar preparados para se abrigar no local, se necessário, manter uma maior conscientização sobre segurança e se registrar no Departamento de Relações Exteriores e Comércio”, acrescentou.

Fontes ucranianas estimam que existam 1.400 australianos no país eslavo, mas as autoridades australianas ainda não confirmaram esse número.

Também na manhã de hoje, o Ministério das Relações Exteriores britânico anunciou que está retirando alguns funcionários de sua embaixada na Ucrânia, bem como suas famílias, “em resposta à crescente ameaça da Rússia”.

O comunicado especificou que a embaixada Britânica em Kiev permanece aberta e continua realizando trabalhos essenciais.

Enquanto isso, o alto representante da União Europeia (UE) para Política Externa, Josep Borrell, reiterou que o bloco não planeja no momento retirar os parentes de seus diplomatas da Ucrânia. “Não quero que tenhamos que dramatizar o que as negociações [com a Rússia] estão acontecendo”, disse ele.

O ministro das Forças Armadas britânicas, James Heappey, anunciou na semana passada o fornecimento de milhares de mísseis antitanque a Kiev “para autodefesa”.

EUA

No domingo (23), o Departamento de Estado dos EUA ordenou que os parentes dos funcionários americanos da Embaixada em Kiev deixem as instalações da missão diplomática e autorizou a “saída voluntária” da Ucrânia dos americanos que foram contratados ilegalmente.

Segundo o Departamento de Estado do país, a decisão se deve à “ameaça contínua de ação militar russa”. “Os cidadãos dos EUA na Ucrânia devem considerar a partida [do país] agora usando as opções de transporte disponíveis”, alertou.

“As condições de segurança, especialmente ao longo das fronteiras da Ucrânia, na Crimeia ocupada pelos russos e no leste da Ucrânia controlado pelos russos, são imprevisíveis e podem se deteriorar sem aviso prévio. As manifestações, que às vezes se tornaram violentas, ocorrem regularmente em toda a Ucrânia, inclusive em Kiev”, acrescentou a agência em um comunicado.

No sábado (22), os Estados Unidos enviaram um novo lote de equipamentos militares para a Ucrânia. Um avião cargueiro pousou em Kiev com os equipamentos.

“O primeiro envio do ano com assistência para a Ucrânia, recentemente definido pelo presidente [Joe] Biden, chegou no fim da noite. O carregamento inclui cerca de 90 toneladas de materiais letais, entre os quais munições, para os defensores da Ucrânia na primeira linha”, informou a Embaixada, ressaltando que, em 2021, foram enviadas ajudas militares de mais de US$ 650 milhões.

“Respeitando o direito dos estados estrangeiros de garantir a segurança de suas missões diplomáticas, chamamos esta decisão dos EUA de prematura e uma exibição excessiva de alerta”, diz um comunicado do Ministério das Relações Exteriores da Ucrânia, acrescentando que de fato “não houve mudanças importantes na situação”.

As marinhas norte-americana e japonesa realizaram um grande exercício no mar das Filipinas no último sábado, dia 22 de janeiro, que contou com a participação de dois porta-aviões norte-americanos, dois navios anfíbios, dezenas de caças e um navio de guerra japonês de grande cobertura.

Foto: Marinha dos Estados Unidos

De acordo com o Instituto Naval dos Estados Unidos da América (USNI, sigla em inglês), estes são os exercícios mais poderosos deste tipo desde os realizados em outubro passado pelos EUA, Reino Unido e Japão a sudeste de Okinawa. Desta vez, a localização exata do exercício, que ocorreu no Mar das Filipinas, que inclui águas a leste da ilha chinesa de Taiwan, não foi especificada.

Com essa cooperação, as autoridades japonesas e americanas pretendem alcançar um sucesso muito mais rápido no desenvolvimento de tecnologias de ponta e na criação de tipos de armas capazes de lidar com mísseis hipersônicos e armas espaciais de potenciais adversários, segundo especialistas do Instituto Nacional de Pesquisa Asiática dos EUA em um relatório recente. O anúncio ocorreu em meio a tensões sobre a ilha de Taiwan com a China e a intensificação do programa de testes de mísseis da Coreia do Norte .

OTAN

A Organização do Tratado do Atlântico Norte anunciou hoje que está “colocando forças em alerta e enviando navios e aeronaves de combate adicionais” para a Europa Oriental, “fortalecendo a dissuasão e a defesa de aliados” devido à situação em torno da Ucrânia.

“Estou satisfeito que os aliados estejam contribuindo com forças adicionais para a OTAN. A OTAN continuará a tomar todas as medidas necessárias para proteger e defender todos os aliados, inclusive reforçando a parte oriental da Aliança”, disse o secretário-geral da organização, Jens Stoltenberg. “Sempre responderemos a qualquer deterioração em nosso ambiente de segurança, inclusive fortalecendo nossa defesa coletiva”, acrescentou.

A OTAN observou que nos últimos dias vários membros anunciaram seus desdobramentos atuais ou futuros:

  • A Dinamarca está enviando uma fragata para o Mar Báltico e enviando quatro caças F-16 para a Lituânia para “apoiar a longa missão de policiamento aéreo da OTAN na região”.
  • A Espanha está enviando navios para se juntar às forças navais da OTAN e está considerando enviar caças para a Bulgária
  • A França expressou sua disposição de enviar tropas para a Romênia sob o comando da OTAN
  • A Holanda enviará dois caças F-35 à Bulgária a partir de abril para apoiar as atividades de policiamento aéreo da OTAN na região e está disponibilizando um navio e unidades terrestres à Força de Resposta da OTAN.
  • Os EUA estão considerando aumentar sua presença militar na parte oriental da Aliança.

Rússia

O governo russo insiste que nunca ameaçou o povo ucraniano, em nenhum lugar, enquanto denuncia a “histeria russofóbica” e reitera que as especulações sobre os supostos preparativos de Moscou para uma agressão militar contra a Ucrânia não correspondem à realidade.

Enquanto o Ocidente está indignado com a presença de cerca de 100 mil soldados russos perto da fronteira, o Kremlin ressalta que qualquer destacamento militar em seu próprio território é seu direito soberano, justificando-o diante da OTAN, criando tensões na região, denunciando que o expansão da OTAN para o leste e suas fronteiras ameaça a segurança nacional da Rússia.

Quer receber as principais notícias do Portal N10 no seu WhatsApp? Clique aqui e entre no nosso grupo oficial. Para receber no Telegram, clique aqui

Siga o Portal N10 no Google News para acompanhar nossas notícias. Clique na imagem abaixo!

Romário Nicácio

Administrador de Redes. Co-fundador do Portal N10 e do N10 Entretenimento. Redator de sites desde 2009, passando pelo Notícias da TV Brasileira (NTB), Blog Psafe e vários outros de temas variados. E-mail: romario@oportaln10.com.br

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Olá pessoal! O acesso ao nosso site é gratuito, porém precisamos da publicidade aqui presente para mantermos o projeto online. Por gentileza, considere desativar o adblock ou adicionar nosso site em sua white-list e recarregue a página.