DestaquesUniverso

Astrônomos podem ter descoberto primeiro planeta fora de nossa galáxia

A existência do objeto estelar sugere que pode haver muitos outros exoplanetas extragalácticos esperando para serem descobertos

Nas últimas três décadas, a humanidade descobriu milhares de planetas em nossa galáxia além do Sistema Solar, com novos sendo anunciados a cada semana. Uma questão recorrente neste campo é a existência de planetas em outras galáxias. Embora algumas evidências indiretas sugiram a existência de exoplanetas extragalácticos, um novo estudo pode ter encontrado o primeiro planeta candidato a orbitar um sistema hospedeiro em outra galáxia.

E não está perto: 28 milhões de anos-luz da Terra. A existência do objeto estelar, se confirmada, sugere que pode haver muitos outros exoplanetas extragalácticos esperando para serem descobertos, relatam os especialistas em um estudo que aparecerá na revista Nature Astronomy.

Com a ajuda do Observatório de raios-X Chandra da NASA e do telescópio XMM-Newton da Agência Espacial Europeia, os especialistas teriam detectado o planeta na galáxia espiral Messier 51 (M51), também conhecida como Whirlpool, ou Galáxia do Redemoinho.

O planeta potencial poderia fazer parte do sistema estelar conhecido como M51-ULS-1, que apresenta um buraco negro ou estrela de nêutrons e uma estrela companheira com massa cerca de 20 vezes a do sol.

O método utilizado para detectá-lo baseou-se na teoria dos trânsitos, que analisa as quedas de raios X de uma estrela durante a passagem de um objeto celeste à sua frente.

“Descobrimos que uma das fontes de raios X brilhantes experimentou um trânsito que parece muito provavelmente devido à passagem de um planeta à sua frente”, disse a autora principal, Dra. Rosanne Di Stefano, do Harvard-Smithsonian Center for Astrophysics.

Os raios X vêm de binários brilhantes, geralmente consistindo de uma estrela massiva e os restos de uma segunda que colapsou em uma estrela de nêutrons ou buraco negro. Qualquer material próximo a ele ‘superaquece’ em temperaturas tão altas que emite raios X brilhantes, que se destacam da multidão de outras estrelas.

Como a região que produz raios X brilhantes pode ser menor, um planeta que passa na frente dela pode bloquear temporariamente a maioria ou todos esses raios X brilhantes, revelando assim a presença do planeta.

Nas medições dos autores do estudo, as emissões de raios X caíram a zero durante a observação do sistema M51-ULS-1, o que, de acordo com especialistas, indicaria que o planeta tem aproximadamente o mesmo tamanho de Saturno e orbita uma estrela de nêutrons ou buraco negro cerca de duas vezes a distância que Saturno gira em torno do sol.

Especialistas explicaram que apesar de ser uma descoberta tentadora, são necessários mais dados para confirmar a existência do planeta, algo que pode não ser confirmado por décadas, pois os dados sugerem que leva aproximadamente 70 anos para o planeta passar pela frente de seu parceiro binário .

Quer receber as principais notícias do Portal N10 no seu WhatsApp? Clique aqui e entre no nosso grupo oficial. Para receber no Telegram, clique aqui

Romário Nicácio

Administrador de Redes. Co-fundador do Portal N10 e do N10 Entretenimento. Redator de sites desde 2009, passando pelo Notícias da TV Brasileira (NTB), Blog Psafe e vários outros de temas variados. E-mail: romario@oportaln10.com.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo