Mundo

Arquivos mostram que Bin Laden não queria um Estado Islâmico

o-OSAMA-BIN-LADEN-REPORT-facebook
(AP Photo)

(ANSA) – O governo dos Estados Unidos divulgou nesta quarta-feira (20) mais de 100 documentos encontrados na casa em que o terrorista Osama bin Laden estava escondido no Paquistão durante o ataque norte-americano que tirou a sua vida, em 2011.

Chamados de “A Estante de Bin Laden”, os arquivos incluem correspondências em árabe, livros em inglês de Bob Woodward e Noam Chomsky e obras sobre economia e teoria militar. Entre outras coisas, os documentos mostram que o fundador da Al Qaeda era contrário a um “Estado Islâmico” e a lutas internas entre os muçulmanos.

“Vocês devem parar de insistir na formação de um Estado Islâmico. Ataquem as Embaixadas dos Estados Unidos em Togo, em Serra Leoa. E ataquem os lugares onde operam companhias petrolíferas norte-americanas. Evitem objetivos como militares e forças policiais locais”, diz uma carta enviada a jihadistas do Iêmen e do norte da África.

As correspondências mostram um homem que continuava planejando ações sangrentas, mas também era capaz de dirigir palavras de amor à sua “fiel e querida” esposa Khairiah Saber, a quem chamava de “luz dos meus olhos” e “bem mais precioso que eu tenho no mundo”.

Os arquivos também incluem formulários para recrutamento de milicianos com perguntas como “Qual é seu hobby?”, “Estaria disposto a ser um suicida?” e “A quem devemos contatar se você quiser se converter em mártir?”.

Além de documentos que revelam o pensamento de Bin Laden, os militares norte-americanos ainda encontraram em seu esconderijo uma vasta coleção de material pornográfico, que, como era de se esperar, não será divulgado.

You Might Also Like

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.