Adolescentes descobrem 4 exoplanetas orbitando estrela semelhante ao Sol
Imagen ilustrativa (NASA / JPL-Caltech)

Adolescentes descobrem 4 exoplanetas orbitando estrela semelhante ao Sol

Dois estudantes americanos do ensino médio, Jasmine Wright, 18, e Kartik Pinglé, 16, descobriram quatro novos exoplanetas orbitando uma estrela semelhante ao Sol,  informa o The Harvard Gazette.

A grande descoberta foi possível graças ao programa ‘Student Research Mentoring Program’, conduzido pelo Harvard Center for Astrophysics e do instituto Smithsonian. Os adolescentes falaram sobre suas descobertas em um artigo publicado no prestigiado The Astronomical Journal.

Depois de analisar dados do ‘Transiting Exoplanet Survey Satellite’ da NASA e de vários telescópios terrestres, Wright e Pinglé localizaram quatro planetas em torno de uma estrela, conhecida como ‘TOI-1233’ ou ‘HD 108236’, que está localizada a cerca de 200 anos-luz da Terra, na constelação Centaurus do hemisfério sul. É  a estrela mais brilhante entre as descobertas até agora e semelhante em tamanho e temperatura ao Sol. Anteriormente, já se sabia que havia um exoplaneta em sua órbita.

Três dos corpos são considerados ‘sub-Netuno‘, planetas gasosos menores que Netuno, mas semelhantes ao do nosso sistema solar, que levam entre 6 e 19,5 dias para orbitar TOI-1233. Enquanto isso, o quarto planeta é chamado de ‘super-Terra’ devido ao seu grande tamanho e presença de rocha, que faz uma revolução completa ao redor da estrela em pouco menos de 4 dias. 

A equipe de pesquisadores detalhou que é improvável que os planetas abriguem vida, uma vez que suas temperaturas médias de superfície variam entre 370 ° C e 815 ° C.

“Os planetas se originaram de um mesmo disco de matéria em torno da mesma estrela, mas acabaram sendo planetas diferentes com atmosferas e climas diferentes devido às suas órbitas diferentes”, explica Tansu Daylan, tutor do programa que orientou os jovens em seu pesquisa e pós-doutorado no Instituto Kavli de Astrofísica e Pesquisa Espacial do Instituto de Tecnologia de Massachusetts. “Portanto, gostaríamos de entender os processos fundamentais de formação e evolução dos planetas usando este sistema planetário”, acrescentou.

“Estávamos procurando ver as mudanças na luz ao longo do tempo”, explicou Pinglé. “A ideia era que se o planeta transitasse em torno da estrela, ou passasse na frente dela, iria [periodicamente] cobrir a estrela e diminuir seu brilho”, acrescentou.

“Fiquei muito animado e muito surpreso”, disse Wright, enfatizando que “realmente encontrar um sistema multiplanetário e fazer parte da equipe de descoberta foi muito legal .”

Por sua vez, o professor Daylan afirmou que localizar um sistema multiplanetário é como “ganhar na loteria” e acrescentou que foi uma “vitória para todos ” trabalhar com Pinglé e Wright no estudo.

Já a astroquímica Clara Sousa-Silva, que dirige o programa, destacou que os alunos do ensino médio raramente publicam pesquisas . “Embora esse seja um dos objetivos do ‘Programa de Tutoria para Alunos de Pesquisa’, é altamente incomum que alunos do ensino médio sejam coautores de artigos de periódicos”, concluiu.

Esta notícia foi interessante para você? Compartilhe com seus amigos!

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: