Home Notícias Ciência Vinho tinto pode prejudicar o feto, diz estudo

Vinho tinto pode prejudicar o feto, diz estudo

Publicidade

Vinho tinto pode prejudicar o feto, diz estudo
0
Publicidade

A gravidez é um momento especial e único, especialmente para as mulheres, entretanto, é preciso tomar alguns cuidados. Um estudo realizado pela Divisão de Diabetes, Obesidade e Metabolismo e pela Divisão Reprodutiva e Desenvolvimento da Universidade Health and Science, nos Estados Unidos, sugere que as mulheres devem evitar o vinho tinto durante a gravidez. As informações são do Daily Mail.

Estudo revela que substância encontrada no vinho tinto prejudica a gestação.
Estudo revela que substância encontrada no vinho tinto prejudica a gestação.

De acordo com os pesquisadores, um ingrediente no vinho que normalmente é visto como saudável pode prejudicar o pâncreas da criança em gestação. O resveratrol é tido como protetor contra doenças cardíacas, Alzheimer e uma série de outras doenças. O pesquisador-chefe do estudo Dr. Kevin Gove disse ao Daily Mail: “Este estudo tem relevância direta para a saúde humana. Resveratrol é amplamente utilizado para seus benefícios de saúde reconhecidos, e está prontamente disponível para venda. A mensagem importante neste estudo é que as mulheres devem ter muito cuidado com o que eles consomem, enquanto grávida, e elas não devem tomar suplementos, como o resveratrol, sem consultar seus médicos.”. O Dr. Kevin completou: “O que é bom para a mãe pode não ser bom para o bebê.”

Testes em macacos

Como parte do estudo, o Dr. Grove e seus colegas deram suplementos de resveratrol todos os dias durante a gravidez para macacos obesos que comem uma dieta ocidental. Um segundo grupo de macacos obesos não recebeu o suplemento, e ambos foram comparados com macacos magros alimentados com uma dieta saudável. Os animais foram acompanhados de perto por complicações de saúde, e do fluxo sanguíneo através da placenta foi determinada por ultra-som.

Os fetos foram analisados ​​por anormalidades do desenvolvimento, e os resultados mostraram evidência definitiva de anormalidades pancreáticas. O estudo foi publicado na revista Federação das Sociedades Americanas para Biologia Experimental. Dr. Gerald Weissmann, editor-chefe da revista, disse: “Nós sabemos há muito tempo que o resveratrol é farmacologicamente ativo, e estamos agora realmente começando a entender os prós e contras de consumir altas concentrações deste substância. Quando começamos a estabelecer um perfil de segurança de resveratrol e outros suplementos dietéticos, os resultados como este deve vir sem nenhuma surpresa.”

Publicidade

Romário Nicácio Administrador de Redes. Redator e co-fundador do Portal N10. Redator de sites desde 2009.
error: Conteúdo protegido, entre em contato ([email protected]) para solicitar a matéria!