Home Notícias Política Procurador do MPF diz que país vive uma inundação de corrupção

Procurador do MPF diz que país vive uma inundação de corrupção

Procurador do MPF diz que país vive uma inundação de corrupção
Foto: Divulgação / EBC
0

O procurador do Ministério Público Federal (MPF) e coordenador da força-tarefa da Operação Lava Jato, Deltan Dallagnol, disse nesta sexta-feira (6), em Curitiba, que é preciso refletir e repensar a República. “Vivemos uma inundação de corrupção. Estamos tirando essa água com baldes e precisamos que sejam construídas barragens, muros que nos protejam dessa inundação de corrupção.”, afirmou. O procurador disse que houve um aumento de iniciativas contra o Ministério Público durante as investigações, mas garantiu que a Operação continuará resistindo “a todo tipo de ataque” e ressaltou que a sociedade fortalece os trabalhos de combate à corrupção.

“Nós acreditamos que enquanto a sociedade estiver do nosso lado, esses ataques não terão sucesso. Agora, se o apoio da sociedade diminuir, o flanco estará aberto para que o ataque à corrupção diminua”, disse Dallagnol.

Nesta sexta-feira, o MPF apresentou mais duas denúncias contra o ex-senador Gim Argello (PTB-DF), os empresários Marcelo Odebrecht, presidente da empreiteira Odebrecht, Ricardo Pessoa, dono da UTC, Léo Pinheiro, presidente da OAS e mais 16 pessoas, entre as quais o publicitário Marcos Valério, condenado no mensalão, e o empresário Ronan Maria Pinto, dono do jornal Diário do Grande ABC.

Para Deltan Dallagnol, é preciso refletir e repensar a nossa República. “Vivemos uma inundação de corrupção. Estamos tirando essa água com baldes, precisamos que sejam construídas barragens, muros que nos protejam dessa inundação de corrupção.”, afirmou. O procurador disse que houve um aumento de iniciativas contra o MP durante o curso das investigações.

De acordo com MPF, nas duas denúncias oferecidas hoje, os acusados cometeram crimes de lavagem de dinheiro, corrupção ativa e passiva, organização criminosa e obstrução à investigação. Os procuradores pedem o confisco de R$ 7,5 milhões e 200 mil euros e multa de R$ 70 milhões, correspondente ao dobro dos valores totais de propinas. Segundo o procurador Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa da Lava Jato, o valor envolvido na corrupção das duas acusações de hoje é de R$ 30 milhões.

Da Agência Brasil

Romário Nicácio Administrador de Redes. Redator e co-fundador do Portal N10. Redator de sites desde 2009.
error: Conteúdo protegido, entre em contato ([email protected]) para solicitar a matéria!