Home Notícias Brasil RN Parnamirim MPRN firma acordo para abertura de UPA em Parnamirim

MPRN firma acordo para abertura de UPA em Parnamirim

MPRN firma acordo para abertura de UPA em Parnamirim
0

Um acordo judicial foi firmado entre o Ministério Público e a Prefeitura de Parnamirim para abertura da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) no bairro de Nova Esperança.

A audiência judicial que tratou do assunto foi realizada na quarta-feira (29), na Vara da Infância e Juventude e do Idoso da Comarca e contou com a participação da promotora de Justiça, Luciana Maciel.

Na ocasião, o Município informou que a abertura da UPA de Nova Esperança, na qual ocorrerão os atendimentos de urgência e emergência em pediatria, depende apenas do remanejamento de recursos humanos para a unidade – e também da nomeração de aprovados em concursos público.

Na ocasião, o procurador Fábio Daniel de Souza Pinheiro e o secretário de Saúde do Município Henrique Eduardo Costa se comprometeram a colocar a UPA em funcionamento até o dia 30 de outubro de 2015.

A juíza da Vara da Infância e Juventude e do Idoso, Ilná Rosado Motta, homologou o acordo firmado entre o Ministério Público e o Município. Quando estiver em funcionamento, a UPA deverá disponibilizar apoio de diagnóstico de raio-x e laboratorial.

Ação Civil Pública

A audiência judicial faz parte dos autos da Ação Civil Pública nº 0101222-10.2014.8.20.0124, ajuizada pelo Ministério Público Estadual com o intuito de que a Justiça obrigasse o Município de Parnamirim a retormar o atendimento de urgência e emergência em pediatria na localidade – com serviço de apoio e diagnóstico.

O Juízo determinou que o Município realizasse, no prazo de 48 horas, a nomeação ou o remanejamento dos médicos pediatras, enfermeiros e técnicos de enfermagem lotados na Secretaria Municipal de Saúde de Parnamirim, para fins de elaboração de escala para atuação no pronto-socorro infantil do Hospital Regional Deoclécio Marques de Lucena, com vistas a prestar o atendimento de urgência e emergência à população infantil.

Para o caso de não existirem profissionais concursados em número suficiente para completar o número mínimo de profissionais necessários ao funcionamento do pronto socorro infantil, a decisão judicial determinou que o Município promovesse a realização de concurso público e em 15 dias procedesse a contratação temporária de profissionais – observando o disposto na Lei 8.745 de 09.12.1993, até que os aprovados no concurso público tomassem posse no cargo.

Romário Nicácio Administrador de Redes. Redator e co-fundador do Portal N10. Redator de sites desde 2009.
error: Conteúdo protegido, entre em contato ([email protected]) para solicitar a matéria!