Home Notícias Ciência Homem paraplégico volta a andar com técnica revolucionária

Homem paraplégico volta a andar com técnica revolucionária

Homem paraplégico volta a andar com técnica revolucionária
Foto: Reprodução / BBC Panorama
0

(ANSA) – “Reparar” a medula espinhal com o transplante de células provenientes da cavidade nasal. Essa é uma técnica que foi testada com sucesso por alguns médicos poloneses e britânicos e que fez com que um homem, que estava paraplégico da altura do torso para baixo, recuperasse as sensações e o controle dos próprios músculos, conseguindo até andar, em 2014.

A história é de Darek Fidyka, um ex-bombeiro que ficou paraplégico ao ser esfaqueado em 2010, e que voltou a sentir movimentos a partir de um tratamento experimental que está sendo estudado a cerca de 40 anos em uma parceria entre a Polônia e a Inglaterra.

Na técnica, foi retirado do paciente um dos bulbos olfativos, que contêm as células chamadas olfactory ensheathing cells (OECs) – que fazem com que as fibras nervosas do sistema olfativo se renovem continuamente – e essas foram enxertadas em fibras do tecido nervoso do calcanhar também retiradas do paciente.

Depois disso, esse “componente” foi injetado onde havia a lesão na medula espinhal criando assim uma espécie de ponte entre as duas partes da medula que estavam danificadas.

O tratamento foi realizado em 2012 e, depois uma série de sessões de fisioterapia, em 2014, o homem já conseguia caminhar com ajuda de um andador, além de poder controlar sua bexiga e suas funções sexuais. Atualmente, ele está tentando andar de bicicleta.

Os principais nomes dessa técnica foram o professor britânico Geoffrey e seu time do instituto de Neurologia da University College London e o cientista polonês Pawel Tabakow e a sua equipe do Wroclaw Medical University.

No entanto, a principal notícia é que agora o projeto Wroclaw Walk Again Project, organizado pelos pesquisadores poloneses, quer encontrar mais duas pessoas paraplégicas para testar a técnica novamente.

Os dois novos pacientes devem ter entre 16 e 65 anos e ter condições de viver na Polônia por três anos. O transplante e as demais terapias, como fisioterapia, não terão custos.

Romário Nicácio Administrador de Redes. Redator e co-fundador do Portal N10. Redator de sites desde 2009.
error: Conteúdo protegido, entre em contato ([email protected]) para solicitar a matéria!