Home Notícias Ciência Hackers usam sinais de rádio para roubar informações privadas de computadores

Hackers usam sinais de rádio para roubar informações privadas de computadores

Hackers usam sinais de rádio para roubar informações privadas de computadores
Foto: Reprodução/Daily Mail
0

Como forma de precaução, dados de segurança nacional e informações secretas de empresas são armazenadas em computadores que nunca estão conectados à internet. Esta tática é chamada de “air-gap” (espaço livre), considerado o modo mais seguro para impedir o acesso indevido dos hackers.

De acordo com informações do jornal Daily Mail, cientistas da computação da Universidade Ben-Gurion, em Israel, encontraram uma maneira de atacar estas máquinas e “roubar” os dados confidenciais. Em um experimento projetado para destacar os perigos para máquinas que utilizam o sistema air-gap, os pesquisadores assumiram que os ataques já quebraram a barreira de um sistema protegido.

O sistema air-gap foi projetado para garantir que as redes de computadores seguras sejam fisicamente isoladas de redes não seguras, como a internet ou uma rede de área local. Os pesquisadores de Israel projetaram um software de computador que registra as teclas digitadas. Este software transmite esses registros via sinais de rádio FM gerados pela placa de vídeo do computador. Os sinais são captados por um celular nas proximidades, equipado para captar os sinais de rádio. No caso do exemplo, eles usaram um Samsung Galaxy S4 e teve de ligar os auscultadores para obter o receptor de rádio. Isto pode ser feito sem ser detectado pelo utilizador, mas que dependem do software a ser instalado no computador, em primeiro lugar.

Especialistas disseram que a técnica é utilizada desde meados dos anos 1980. Foto: Reprodução/Daily Mail
Especialistas disseram que a técnica é utilizada desde meados dos anos 1980. Foto: Reprodução/Daily Mail

E uma vez que os sinais de rádio FM podem viajar por longas distâncias, o receptor pode ser colocado em outro prédio. Um novo método de proteger essas máquinas terão agora de ser encontrado, afirmaram os pesquisadores. Eles demonstraram que um hacker poderia usar o software para coletar dados a partir de dispositivos protegidos. Este dado foi apresentado na IEEE 9th International Conference on Malicious and Unwanted Software (Malcon). “O cenário é que você vai para uma instalação segura e deixa seu telefone celular na entrada”, disse Dudu Mimran, diretor de tecnologia para os laboratórios de segurança cibernética na universidade.

Os analistas dizem que a técnica, chamada AirHopper, é um refinamento dos métodos usados ​​por agências de inteligência desde meados dos anos 1980. Sabe-se que os sinais eletromagnéticos podem ser interceptados a partir de monitores de computador para reconstituir a informação que está sendo apresentada. o AirHopper tem a vantagem, no entanto, porque ele usa componentes off-the-shelf, tendo um smartphone como um receptor.

Mas, o método ainda é lento, a transferência é de menos de 60 bytes por segundo e é feita a uma distância entre um e sete metros. Isso permite que alguém, com um smartphone, possa roubar dados dos sistemas próximos e enviá-lo para outro hacker. “Esta é a primeira vez que um telefone celular é considerado em um modelo de ataque como o destinatário de sinais de rádio maliciosos emitidos a partir da tela do computador isolado”, disseram os pesquisadores em um comunicado.

As conclusões da universidade reacenderam a discussão sobre se as redes de air-gap ainda são eficazes e os especialistas estão agora trabalhando em uma forma de proteger as máquinas de tal violação. A única medida que eles sabem até agora é que para proteger os computadores será preciso protegê-los em gabinetes metálicos cujas paredes são grossas o suficiente para enfraquecer, ou neutralizar, as frequências de rádio, interrompendo a transmissão de dados sensíveis.

Romário Nicácio Administrador de Redes. Redator e co-fundador do Portal N10. Redator de sites desde 2009.
error: Conteúdo protegido, entre em contato ([email protected]) para solicitar a matéria!