Home Notícias Ciência Extrato de brócolis pode reduzir os sintomas do autismo

Extrato de brócolis pode reduzir os sintomas do autismo

Publicidade

Extrato de brócolis pode reduzir os sintomas do autismo
Imagem: Creativa Images / Shutterstock.com
0
Publicidade

A substância química chamada sulforafano derivada de brotos de brócolis pode ajudar a melhorar os sintomas em algumas pessoas com autismo, sugere um novo estudo publicado segunda-feira (13) na revista National Academy of Sciences.

Segundo o portal ‘LiveScience’, o estudo analisou 40 homens e meninos com autismo, que estavam entre as idades de 13 e 27, durante o período de 18 semanas.  26 dos participantes receberam entre 9 e 27 miligramas de sulforafano por dia (dependendo do seu peso), enquanto os 14 participantes restantes receberam uma placebo.

Imagem: Creativa Images / Shutterstock.com
Imagem: Creativa Images / Shutterstock.com

“Acreditamos que isso pode ser uma evidência preliminar para o primeiro tratamento para o autismo, que melhora os sintomas, aparentemente corrigindo alguns dos problemas celulares subjacentes”, disse o autor do estudo Dr. Paul Talalay, professor de farmacologia e ciências moleculares da Universidade Johns Hopkins em Baltimore.

No final do estudo, a pontuação média dos participantes que receberam o sulforafano diminuiu de 34% sobre uma escala e 17% na outra escala. Esses participantes apresentaram melhoras no comportamento, tais como a redução do número de crises de irritabilidade, diminuição dos movimentos repetitivos e menos problemas com a comunicação e motivação. Aqueles que tomaram o placebo, experimentaram, o que os pesquisadores chamaram de “mudança mínima”, ou uma mudança de menos de 3,3% em suas pontuações nas escalas.

Os parentes das pessoas que participaram do estudo disseram que os participantes estavam mais calmos e socialmente mais interativos do que antes do início dos testes, enquanto a equipe de pesquisadores disse que os sintomas autistas dos indivíduos eram “muito ou melhorou muito” nas escalas utilizadas no estudo.

“Isso não significa uma ‘cura’, mas o sulforafano pode melhorar os sintomas do autismo”, disse o Dr. Andrew Zimmerman, professor de neurologia pediátrica na UMass Memorial Medical Center em Worcester, Massachusetts.

“Mas é importante notar que as melhorias não afetam a todos – cerca de um terço não apresentou melhora – e o estudo deve ser repetido em um grupo maior de adultos e em crianças, algo que estamos esperando para organizar em breve”, finalizou Zimmerman .

As pontuações do autismo dos pacientes que tomaram o extrato voltou aos seus valores originais após os pacientes pararem de tomar o composto. Seria muito difícil conseguir os níveis de sulforafano utilizado no estudo apenas pela ingestão de grandes quantidades de brócolos. Isso é verdade, por duas razões principais: em primeiro lugar, os níveis de precursores sulforafano, que são os compostos que são convertidos em sulforafano, são altamente variáveis ​​em diferentes variedades de brócolis. A segunda é que as pessoas têm diferentes níveis de capacidade de converter esses precursores em sulforafano ativo.

Cerca de metade dos participantes que tomaram o sulforafano mostraram melhorias significativas em suas interações sociais, comportamentos aberrantes e comunicação verbal. No grupo placebo, nenhum dos participantes apresentou melhorias em termos de interações sociais e comunicação verbal, e apenas 9% apresentaram melhora em comportamentos aberrantes.

Como isso funciona?

As causas do autismo não são claras, mas os pesquisadores observaram algumas alterações bioquímicas que são muitas vezes presente nas células de pessoas com autismo, disseram os investigadores. Por exemplo, as pessoas com autismo têm frequentemente níveis elevados de estresse oxidativo , que é um desequilíbrio nas células que podem levar a problemas como inflamação e danos ao DNA.

Pesquisas anteriores já haviam mostrado que o sulforafano pode ajudar a melhorar a defesa do organismo contra o estresse oxidativo. O composto pode também fortalecer o que é chamado de ” resposta de choque térmico “, que é uma cascata de eventos que protege as células do estresse causado por altas temperaturas. A resposta ao choque de calor ocorre, por exemplo, quando uma pessoa tem uma febre.

Curiosamente, cerca de metade dos pais de crianças autistas relatam que os sintomas do autismo de seus filhos fica melhor quando as crianças têm febre.

Frazier disse que o estudo era promissor, mas acrescentou que ele precisa ser refeito de forma mais rigorosa. “Estudos futuros devem utilizar medidas mais objetivas para avaliar o potencial efeito do sulforafano em sintomas de autismo, em vez de avaliações subjetivas dos pais”, concluiu.

Publicidade

Romário Nicácio Administrador de Redes. Redator e co-fundador do Portal N10. Redator de sites desde 2009.
error: Conteúdo protegido, entre em contato ([email protected]) para solicitar a matéria!