Home Notícias Variedades Curiosidades Entenda o acidente nuclear de Chernobyl

Entenda o acidente nuclear de Chernobyl

Entenda o acidente nuclear de Chernobyl
0

Chernobyl é uma usina localizada no norte da Ucrânia, na fronteira com a Bielo-Rússia (também conhecida como Belarus).

Tanto a Ucrânia quanto a Bielo-Rússia faziam parte da União Soviética na época em que aconteceu o acidente nuclear.

A usina nuclear de Chernobyl foi construída pelo governo soviético e com ela, uma cidade-dormitório para os seus trabalhadores. Chamada de Pripyat, ela tinha 50 mil habitantes naquele período.

Ocorrido em 26 de abril de 1986, o desastre de Chernobyl foi provocado quando os técnicos da usina tentaram simular um apagão com o desligamento da rede elétrica principal e a sua substituição por uma rede de emergência. Devido a um erro humano – ou possível falha no projeto, o que gera controvérsia até hoje -, o reator parou de funcionar, gerando um super-aquecimento com temperatura de 2 000º Celsius.

O excesso de calor provocou uma violenta explosão de vapor que destruiu o teto do reator e espalhou radioativo na atmosfera. Detalhe: o teto pesava mais de 1 000 toneladas.

A explosão lançou nada menos que 70 toneladas de urânio e 900 de grafite na atmosfera, que se espalharam e contaminaram extensas faixas de terra. Sinais de radioatividade no ar foram detectados até em países distantes como Suécia e Finlândia.

Com a explosão e o incêndio gerado por ela, o corpo de bombeiros de Pripyat foi imediatamente acionado. Sem nenhum tipo de proteção, os bombeiros acabaram expostos a doses maciças de radioatividade.

A orientação para evacuar Pripyat só ocorreu 30 horas depois do acidente. A população teve apenas 40 minutos para pegar os seus itens pessoais e abandonar a cidade. Acreditando que a evacuação seria temporária, muitos deixaram os seus itens para trás.

A radiação contaminou rios, lagos, florestas e plantações num raio de 400 quilômetros. Embora em menor escala, chegou também a afetar rebanhos e plantações localizados a 800 quilômetros de distância.

Por estar perto da usina, Pripyat sofreu níveis de contaminação extremos. Tanto é verdade que milhares de pessoas morreram de câncer nos anos seguintes. O nascimento de crianças com problemas genéticos cresceu vertiginosamente.

O governo soviético admitiu apenas 15 mil mortes. Para algumas organizações internacionais, no entanto, esse número foi bem maior: 80 mil. Mais de 2 milhões de ucranianos tiveram algum problema de saúde causado pela radiação.

De acordo com a organização ambiental Greenpeace, em torno de 60 mil pessoas teriam morrido em virtude de câncer de tireoide.

Boa parte das vítimas de Chernobyl – em torno de 20% – cometeu suicídio.

Acredite se quiser, mas ainda hoje o governo da Ucrânia destina uma porcentagem do seu PIB para os efeitos da tragédia – a maior parte para indenizar vítimas.

Pripyat tornou-se a cidade-fantasma mais conhecida do mundo. Restaram apenas 3 habitantes, todos em idade avançada.

A população da região em volta de Pripyat girava em torno de 5 milhões de pessoas. Embora afastada do epicentro, essa região é ainda hoje considerada contaminada pela radiação.

Com o acidente, a natureza começou a tomar o seu lugar. A vegetação invadiu as ruas, calçadas e até construções da cidade. A população de animais cresceu, transformando a zona de exclusão de Chernobyl num santuário da vida selvagem. Uma observação: quanto mais próximo do reator, menor a incidência de animais.

Existe nos arredores de Pripyat uma floresta completamente avermelhada por causa da radiação.

As folhas caídas das árvores demoram mais para se decompor. Acredita-se que isso ocorra em virtude da diminuição dos fungos, causado provavelmente pela radiação.

Quase todo o material radiativo da usina foi selado em um sarcófago de 200 toneladas, construído especialmente para isso. Mesmo assim, toneladas desse material permanecem expostos.

O máximo que os visitantes podem chegar do sarcófago é 200 metros. Além disso, ninguém está autorizado a permanecer mais de 15 minutos por lá.

Os visitantes recebem um contador Geiger – aparelho que mede níveis de radiação – ao visitar Pripyat. No momento da partida, todos são obrigados a medir a radiação no corpo.

Uma das coisas que mais chamam a atenção dos turistas é o parque de diversões abandonado. Ele nem ao menos foi inaugurado quando o acidente ocorreu. Na época, Pripyat tinha uma população constituída em grande parte por jovens e crianças.

O acidente de Chernobyl foi o maior provocado pelo ser humano, com nível 9 na Escala Internacional de Eventos Nucleares. Superou em muito outros acidentes do tipo, como o de Three Mile Island, nos Estados Unidos, e Fukushima. no Japão.

Uma última curiosidade: os ucranianos chamam Chernobyl de “Chernóbil”.

Romário Nicácio Administrador de Redes. Redator e co-fundador do Portal N10. Redator de sites desde 2009.
error: Conteúdo protegido, entre em contato ([email protected]) para solicitar a matéria!