Home Notícias Mundo Em último discurso, Obama diz deixar um país ‘melhor’

Em último discurso, Obama diz deixar um país ‘melhor’

Publicidade

Em último discurso, Obama diz deixar um país ‘melhor’
Foto: Reprodução / Agência Brasil
0
Publicidade

(ANSA) – “Yes, we can!”, ou “Sim, nós podemos!”. Com o já histórico slogan que o levou à Casa Branca, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, encerrou seu último discurso como chefe da maior potência do planeta, 10 dias antes da posse do magnata republicano Donald Trump.

Emocionado e sem conter as lágrimas em alguns momentos, Obama se dirigiu para cerca de 20 mil pessoas em Chicago, seu berço político, e garantiu que deixa para seu sucessor “uma América melhor”. “Nós conseguimos, vocês conseguiram”, disse o presidente.

No discurso, o mandatário defendeu suas ações em oito anos na Casa Branca, principalmente a legalização do casamento gay e o resgate da indústria automobilística norte-americana, que ficou à beira da bancarrota após a crise do subprime, em 2008.

Contudo, o coração do derradeiro pronunciamento de Obama foi a exaltação dos valores que, em suas palavras, tornam os Estados Unidos um país “excepcional” e que não podem ser traídos de nenhuma maneira. “Foi uma honra servir aos americanos, mas eu nunca vou parar. Continuarei a fazê-lo durante o restante dos meus dias”, afirmou.

Em determinado momento, a plateia gritou “mais quatro anos”, comovendo o presidente, que não citou Trump nominalmente a não ser para falar da transição, mas se dirigiu a ele em várias ocasiões, como ao declarar que o futuro dos EUA depende da manutenção de princípios de liberdade, igualdade e democracia.

“Rejeito qualquer discriminação contra muçulmanos americanos”, destacou Obama, em clara referência aos planos de Trump de restringir a entrada de islâmicos no país. “Matamos centenas de terroristas, incluindo Bin Laden, a coalizão contra o Estado Islâmico recuperou metade do território que o grupo controlava. O EI será destruído e não ameaçará a América apenas se não trairmos nossos valores e princípios”, acrescentou.

Obama ainda abordou as tensões raciais existentes nos Estados Unidos, que ganharam força nos últimos anos de seu mandato – poucas horas antes de seu discurso, Dylann Roof, que assassinou nove negros em uma igreja de Charleston, foi condenado à morte. “É preciso leis, ainda que essas não sejam suficientes”, disse.

Ao falar sobre mudanças climáticas, voltou a alfinetar Trump e afirmou que negar os problemas causados pelo aquecimento global seria “trair as gerações futuras e o espírito do país”. Em seguida, alertou para o risco de os EUA ficarem parecidos com potências “rivais”, como Rússia e China. “Países que não podem igualar nossa influência no mundo, a menos que não sejamos nós a fraquejar naquilo que acreditamos e nos transformemos em mais um grande país prepotente com os vizinhos menores”, declarou.

Ao agradecer à primeira-dama Michelle Obama, não segurou as lágrimas. “Você é minha melhor amiga, me deixou orgulhoso e deixou a América orgulhosa”, disse o democrata, pela última vez discursando como presidente dos Estados Unidos.

Publicidade

Romário Nicácio Administrador de Redes. Redator e co-fundador do Portal N10. Redator de sites desde 2009.
error: Conteúdo protegido, entre em contato ([email protected]) para solicitar a matéria!