Home Notícias Política Em resposta à OEA, Câmara diz que acusação de golpe no impeachment é “descabida”

Em resposta à OEA, Câmara diz que acusação de golpe no impeachment é “descabida”

Em resposta à OEA, Câmara diz que acusação de golpe no impeachment é “descabida”
Rodrigo Maia, presidente da Câmara dos Deputados (Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil)
0

Na semana passada a Organização dos Estados Americanos (OEA) notificou o presidente interino Michel Temer sobre o pedido feito por deputados do PT para suspender o processo de impeachment contra a presidente afastada Dilma Rousseff. A notificação foi enviada ao Planalto pela Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) da entidade.

Nesta segunda-feira (22) o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), encaminhou ao Ministério de Relações Exteriores o relatório sobre o processo de impeachment de Dilma Rousseff a ser remetido à Organização dos Estados Americanos (OEA).

O relatório contém informações detalhadas sobre os procedimentos e a jurisprudência adotada no processo, as leis brasileiras observadas no trâmite e o rito adotado desde o acatamento da denúncia até a admissibilidade na Câmara dos Deputados.

No texto, Maia diz que a reclamação feita pelos parlamentares petistas é “improcedente, descabida e sem nenhum fundamento constitucional, legal e jurisprudencial”.

“Em síntese, não houve nenhuma violação ao texto Constitucional e à lei que rege a matéria. E, em consequência, assegurou-se a mais ampla defesa, com todos os recursos dela decorrentes, incluindo várias ações impetradas perante o Supremo Tribunal Federal. Ademais, o rito seguido foi dando rigoroso cumprimento às normas constitucionais e legais e mais ainda àquele definido pelo próprio Supremo Tribunal Federal”, diz o relatório produzido pela Câmara.

O mesmo pedido de informações foi feito pela OEA ao Senado, que respondeu que observou todos os “preceitos constitucionais, legais e regimentais” ao longo do processo de impeachment da presidente afastada, Dilma Rousseff, segundo documento encaminhado na noite desta segunda-feira (22) a Mario López Garelli, integrante da Secretaria-Executiva da Comissão Interamericana de Direitos Humanos. Assinado pelo advogado do Senado, Alberto Cascais, o documento é uma resposta a pedido de esclarecimento feito ao Ministério das Relações Exteriores pela comissão, ligada à Organização dos Estados Americanos (OEA).

Segundo o documento enviado à OEA, não há “que se falar em qualquer ilegalidade ou inconstitucionalidade dos atos praticados pelo Senado Federal, no uso de sua competência assegurada pela Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, por intermédio dos senadores regularmente eleitos pelo povo”.

O pedido de informações foi apresentado ao governo brasileiro pela OEA depois que parlamentares do PT protocolaram representação contra o processo de impeachment junto à Comissão Interamericana de Direitos Humanos.

Do Portal N10 com informações da Agência Brasil

*Atualizado às 22h47 para acréscimo de informações

Romário Nicácio Administrador de Redes. Redator e co-fundador do Portal N10. Redator de sites desde 2009.
error: Conteúdo protegido, entre em contato ([email protected]) para solicitar a matéria!