Home Notícias Política Diante de crise, Dilma quer estreitar comércio com Colômbia

Diante de crise, Dilma quer estreitar comércio com Colômbia

Publicidade

Diante de crise, Dilma quer estreitar comércio com Colômbia
Dilma Rousseff e o Presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos (Foto: Roberto Stuckert Filho/PR)
0
Publicidade

(ANSA) – A presidente Dilma Rousseff visita nesta quinta-feira, dia 8, a Colômbia, onde encontra seu homólogo Juan Manuel Santos. A viagem acontece em meio ao agravamento da crise econômica brasileira e a mandatária procura amenizar a situação com a aproximação comercial com Bogotá.

Segundo o Ministério de Relações Exteriores (MRE), Dilma tentará acelerar a assinatura de um acordo que reduzirá a zero as taxas de importação colombianas sobre os produtos brasileiros. Desta forma, o tratado, que deveria ser assinado em 2018, pode ser firmado já no próximo ano.

Além disso, serão debatidos o setor automotivo, facilitação de investimentos, compras governamentais, serviços, cooperação agrária, cooperação em educação e em ciência e tecnologia. O coordenador do Instituto de Estudos Econômicos e Internacionais (IEEI) da Unesp, Luis Fernando Ayerbe, explicou, em entrevista à ANSA, que a Colômbia é atualmente a quarta economia da América Latina e que, de acordo com projeções, deve se tornar a terceira nos próximos anos, ultrapassando a Argentina.

“O Brasil tem superávit comercial nas relações com a Colômbia e explorar uma maior penetração é fundamental”, disse. As exportações brasileiras para a Colômbia chegaram a US$ 138,4 bilhões entre janeiro e agosto de 2015, enquanto as vendas colombianas para o Brasil somaram US$ 129,3 bilhões no mesmo período.

O Itamaraty, por sua vez, acredita que o comércio e os investimentos entre Brasil e Colômbia têm crescido bastante nos últimos anos, mas ainda estão aquém do seu potencial. Em paralelo à agenda oficial, ainda acontece o Fórum Empresarial Brasil-Colômbia.

Política

Além do âmbito econômico, a visita certamente também terá um viés político, apesar do tema não estar na agenda oficial. “As motivações [da viagem] são mais comerciais, mas existe o componente político, não somente as negociações de paz com as Farc, que o Brasil apoia, mas também o tema da Venezuela”.

No começo de setembro, o chanceler Mauro Vieira viajou para Bogotá na companhia de seu homólogo argentino, Héctor Timerman, para se encontrar com a ministra das Relações Exteriores da Colômbia, María Ángela Holguín. Na ocasião, eles tentaram “contribuir para a solução dos problemas humanitários e econômicos na fronteira entre aqueles países”, tentando promover o diálogo entre Colômbia e Venezuela, informou o MRE, em nota. “Colômbia e Venezuela são parceiras como Brasil e Argentina”, destaca Ayerbe.

As nações dividem 2.219 quilômetros de fronteira, considerada uma das mais ativas da América Latina. Desde a década de 1980, com o aumento do tráfico de drogas e combustíveis, os problemas diplomáticos se tornaram frequentes. Especialmente, entre os anos de 2002 e 2010, durante os governos de Álvaro Uribe, na Colômbia, e Hugo Chávez, na Venezuela, a situação voltou a ser caótica. A atual crise, que teve o ápice com o fechamento da fronteira, ocorre desde o final de agosto.

Publicidade

Romário Nicácio Administrador de Redes. Redator e co-fundador do Portal N10. Redator de sites desde 2009.
error: Conteúdo protegido, entre em contato ([email protected]) para solicitar a matéria!