Home Notícias Economia Crise na Grécia e China fazem dólar operar acima de R$3,20 nesta terça (8)

Crise na Grécia e China fazem dólar operar acima de R$3,20 nesta terça (8)

Publicidade

Crise na Grécia e China fazem dólar operar acima de R$3,20 nesta terça (8)
(Foto: Marcos Santos/USP Imagens )
0
Publicidade

O valor do dólar subiu ante o real nesta quarta-feira, 8 de julho. A forte queda das bolsas de valores da China e a crise da dívida da Grécia formaram o combustível para a subida da moeda americana. Às 14h, a moeda norte-americana subia 1,45%, a R$ 3,2288 na venda. Na máxima do dia, o dólar atingiu R$ 3,2382 reais, maior nível desde 31 de março no intradia, quando foi a R$ 3,2695 reais na venda.

Veja também: Grécia não paga dívida ao FMI e entra oficialmente em calote

Em nota emitida a clientes, o operador Jefferson Luiz Rugik, da corretora Correparti disse: “A forte correção nos mercados acionários da China pode ser indício de uma desaceleração mais ampla do gigante asiático e quem deve sofrer com isso são aqueles países exportadores de commodities, como o Brasil”.

Nesta quarta-feira, a Bolsa de Xangai fechou em baixa de 5,90%, em um clima de pânico, apesar das novas medidas das autoridades e da suspensão da cotação de quase 1.300 títulos do mercado chinês. O índice de referência perdeu 219,93 pontos, a 3.507,19 unidades, depois de operar em queda de 8% durante a sessão. A Bolsa de Shenzhen fechou em baixa de 2,50%. As bolsas de valores chinesas têm protagonizado uma queda livre nas últimas sessões, com empresas correndo para escapar do desastre, tendo suas ações suspensas e os principais índices acionários do país despencando, após o regulador alertar sobre um “sentimento de pânico” apoderando-se de investidores.

Nesse contexto, o dólar se fortalecia em relação a moedas como os pesos chileno e mexicano. No Brasil, o movimento era muito mais intenso, com investidores citando fluxo de saída de divisas.Além disso, operadores afirmaram que a escalada da moeda norte-americana nesta sessão e na anterior ativou uma série de operações automáticas de compra de dólares para limitar perdas de investidores (“stop-loss”). “O mercado vinha em um movimento de baixa. Uma alta forte como essa faz mais estrago nesses casos, porque pega o mercado de surpresa”, disse o operador de uma corretora internacional, que falou sob condição de anonimato.

As informações são do G1

Publicidade

Romário Nicácio Administrador de Redes. Redator e co-fundador do Portal N10. Redator de sites desde 2009.
error: Conteúdo protegido, entre em contato ([email protected]) para solicitar a matéria!