Home Notícias Ciência Cientistas encontram evidências de placas tectônicas no satélite natural de Júpiter

Cientistas encontram evidências de placas tectônicas no satélite natural de Júpiter

Publicidade

Cientistas encontram evidências de placas tectônicas no satélite natural de Júpiter
0
Publicidade

Os pesquisadores detectaram na crosta de Europa, o gélido satélite natural de Júpiter, a possível existência de placas de gelo gigantes, que funcionariam como as placas tectônicas de nosso planeta, conectando a superfície com o oceano profundo. E isso significaria uma via de contato com sais, minérios e micróbios.

Os investigadores têm evidências visuais clara de expansão da crosta gelada de Europa. No entanto, eles não conseguiram encontrar áreas onde a antiga crosta foi destruída para dar espaço para o novo. Ao examinar as imagens do satélite natural de Júpiter, tomadas pela sonda espacial Galileu Orbiter, da NASA, no início de 2000, os geólogos planetários Simon Kattenhorn, da Universidade de Idaho, Moscou e Louise Prockter, do Laboratório de Física da Universidade Johns Hopkins Applied em Laurel, Maryland, descobriram alguns limites geológicos incomuns.  “Estamos intrigados durante anos sobre a forma como todo este novo terreno poderia ser formado, mas não conseguimos descobrir como ele foi acomodado”, disse Prockter. “Acho que finalmente encontramos a resposta.”, disse ele.

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

A superfície de Europa – uma das quatro maiores luas de Júpiter e um pouco menor do que a lua da Terra – é cheio de fendas e sulcos. Na Terra, com novas formas materiais de superfície nas cristas médio-oceânicas, o material velho é destruído em zonas de subducção, regiões onde duas placas tectônicas convergem e se sobrepõem, forçando uma sob a outra. No entanto, apesar do grau de extensão evidente na superfície de Europa, os investigadores não tinham sido capazes de determinar como a superfície poderia acomodar todo o material novo.

De acordo com o livro “2001: Uma Odisseia no Espaço”, de Arthur C. Clarke, a humanidade se mudaria para o satélite de Júpiter. Como pudemos ver, Europa pode mesmo ser um lugar capaz de abrigar vida, baseado em dados científicos.

Fonte: NASA

Publicidade

Romário Nicácio Administrador de Redes. Redator e co-fundador do Portal N10. Redator de sites desde 2009.
error: Conteúdo protegido, entre em contato ([email protected]) para solicitar a matéria!