Cern anuncia descoberta de nova partícula subatômica

Descoberta pode ajudar a entender força fundamental da natureza

Cientistas que trabalham na Organização Europeia para a Pesquisa Nuclear (Cern) descobriram uma nova partícula da matéria, batizada de Xicc++. A descoberta foi anunciada nesta quinta-feira (6) durante a EPS Conference on High Energy Physics em Veneza, na Itália.

A partícula foi localizada graças ao Grande Colisor de Hádrons (LHC, na sigla em inglês), em uma missão chamada de LHCb, e era “perseguida” por cientistas há mais de uma década. Ela é composta por três quarks, o menor elemento conhecido em uma matéria, como prevê a teoria que serve de referência para a Física Moderna, o “Modelo Standard”, que foi criado em 1970.

De acordo com os cientistas, a partícula descoberta pertence à família de bárions – que compõem, basicamente, toda a matéria que existe e é conhecida. Os bárions são partículas comuns compostas por três quarks, os mais conhecidos sendo prótons e nêutrons. Mas existem seis tipos de quarks existentes, e teoricamente, muitas combinações potenciais diferentes podem formar outros tipos de bárions. No entanto, dois quarks presentes na descoberta de hoje são pesados e isso a difere dos bárions conhecidos que tem, em sua maioria, apenas uma partícula pesada.

“Encontrar um bárion com quark duplo pesado é de grande interesse porque vai fornecer uma ferramenta única para promover a cromodinâmica quântica [teoria dos quarks]. Essas partículas irão ajudar a melhorar o poder das previsões de nossas teorias”, disse Giovanni Passaleva, porta-voz da missão LHCb.

“É a primeira vez que se observa uma partícula do tipo: um bárion com dois quarks pesados. Observar uma partícula do tipo foi possível graças à grandíssima quantidade de dados que o LHC está produzindo. Isso permite atingir um objetivo que não é fácil, como conseguir reproduzir a matéria em todos os seus estados possíveis”, disse durante a coletiva a pesquisadora do Instituto Nacional de Física Nuclear (Infn) e da Universidade de Pádua, Donatella Lucchesi.

Os especialistas acreditam que essa nova descoberta poderá ajudar a estudar a “cola” que mantém a matéria unida bem como entender uma das quatro forças fundamentais da natureza: a força forte. As outras três forças identificadas pela Física moderna são a gravitacional, a eletrodinâmica e a força fraca.

Do Portal N10 com Agência ANSA

você pode gostar também

error: Conteúdo protegido, entre em contato ([email protected]) para solicitar a matéria!