Home Notícias Esporte Torcidas questionam acesso a estádios em debate na comissão da MP do Futebol

Torcidas questionam acesso a estádios em debate na comissão da MP do Futebol

Publicidade

Torcidas questionam acesso a estádios em debate na comissão da MP do Futebol
Representantes de torcidas organizadas defenderam cota mínima de 50% dos ingressos de cada partida para serem vendidos a preços mais acessíveis (Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado)
0
Publicidade

Em audiência pública realizada na terça-feira (26), a comissão mista que analisa a medida provisória (MP) do Futebol (671/15) ouviu representantes de torcidas organizadas. Os convidados dirigiram críticas especialmente aos preços de ingressos e às estratégias de ocupação de estádios atualmente em voga no futebol brasileiro.

Apesar do tema em debate não ser diretamente relacionado à matéria da medida provisória (o refinanciamento das dívidas fiscais e trabalhistas dos clubes brasileiros), os representantes das torcidas argumentaram que a questão da presença de torcedores nas partidas tem a ver com a qualidade do espetáculo do futebol – que também se relaciona com as medidas de moralização de gestão e responsabilidade fiscal que a MP do Futebol propõe.

“Os principais atores desse espetáculo somos nós, torcedores. Somos consumidores e temos um produto ruim. Tudo que está sendo discutido aqui é para nós, para termos um produto melhor no nosso futebol”, resumiu André Azevedo, presidente da Associação Nacional das Torcidas Organizadas (Anatorg).

Ingressos caros
Os convidados disseram acreditar que a modernização dos estádios brasileiros, promovida em decorrência da Copa do Mundo de 2014, provocou um encarecimento dos ingressos que “elitizou” as arquibancadas.

Rodrigo Fonseca, presidente da Gaviões da Fiel (torcida organizada do Corinthians), falou a respeito do assunto: “Consideramos perigosa a confusão que se dá entre a modernização e a exclusão do povo mais pobre. Fizeram as arenas e esqueceram-se de enchê-las. Futebol não é só para a elite. O torcedor da classe D tem que voltar a frequentar os estádios”.

Para Gabriel Naman, diretor social da Urubuzada (torcida organizada do Flamengo), existe ainda o problema de que muitas das obras em estádios para a Copa foram feitas com dinheiro público e, no entanto, o público tem pouco acesso a eles.

“Eu paguei pela reforma do Maracanã, mas hoje não posso pagar pelo ingresso. Fora o transporte e a alimentação no estádio, que também são caros. Hoje em dia, vemos estádios sem graça, sem jovens, sem pobres. Fazer uma festa numa arena dessas é muito complicado”, afirmou.

Sócio torcedor
Os membros das organizadas também criticaram a disseminação dos programas de sócio torcedor, através dos quais os torcedores pagam um valor fixo mensal aos clubes em troca de benefícios, como descontos ou preferência na compra de ingressos. Para eles, esses programas reduzem a oferta de ingressos disponíveis para quem não pode arcar com um plano de sócio torcedor.

“Para você ter o ingresso, tem que pagar a mensalidade. O torcedor não tem mais a iniciativa de simplesmente pegar o seu filho e ir ao jogo, porque hoje quase toda venda é digital, ou destinada a sócio”, observou André Azevedo, da Anatorg.

Rodrigo Fonseca, da Gaviões da Fiel, disse entender que os programas de sócio torcedor sejam uma fonte consistente de arrecadação para os clubes, mas chamou a atenção para as baixas médias de público nos principais campeonatos, uma consequência, segundo ele, da redução dos setores de arquibancada com ingressos a preços baixos.

“Não achamos vantajosa a política de encarecimento dos ingressos, por mais que ela possa apresentar números de arrecadação que os dirigentes consideram satisfatórios. O ideal seriam estádios cheios, que talvez mantivessem uma arrecadação próxima à que os clubes parecem buscar”, avalia Rodrigo.

Cota mínima
Fonseca argumentou que os setores chamados “populares” são os que frequentemente apresentam maior taxa de ocupação. Baseado nisso, ele propôs a adoção de uma cota mínima de 50% dos ingressos de cada partida para serem vendidos a preços mais acessíveis. Em sua avaliação, esse valor deve ser de, no máximo, 4% do salário mínimo – o que, hoje, corresponderia a R$ 31,52.

O vice-presidente da comissão mista, deputado Andrés Sanchez (PT-SP), que foi presidente do Corinthians, apresentou uma perspectiva dos dirigentes em relação a esse tema. De acordo com ele, o preço crescente dos ingressos tem a ver com os impostos que os clubes precisam pagar. Além disso, seria necessário compensar a arrecadação perdida com as meias-entradas, cuja oferta Sanchez considera excessiva.

Próximos passos
A audiência foi a única atividade da comissão programada para esta semana. O relator da MP, deputado Otávio Leite (PSDB-RJ), informou que pretende apresentar seu relatório na próxima terça-feira (2). Uma semana depois disso, a comissão deve votar o texto e enviá-lo para apreciação do Plenário da Câmara dos Deputados. A MP 671 tem validade até o dia 17 de julho.

Com informações da Agência Câmara Notícias

Publicidade

Romário Nicácio Administrador de Redes. Redator e co-fundador do Portal N10. Redator de sites desde 2009.
error: Conteúdo protegido, entre em contato ([email protected]) para solicitar a matéria!