Brasil

Governo Fátima reduz número de professores efetivos e contrata mais temporários

Importante destacar, os professores temporários são selecionados sem concurso público, por meio apenas de apresentação de currículo.

Em uma denúncia impactante feita pelo Sindicato dos Trabalhadores do Serviço Público da Administração Direta do Estado do Rio Grande do Norte (SINSP/RN), números apontam para uma significativa transformação na composição do corpo docente nas escolas estaduais sob a administração da governadora Fátima Bezerra. Desde sua posse em 2018, observou-se uma diminuição acentuada no número de professores efetivos, contrastando com um aumento expressivo de professores temporários.

Antes da gestão atual, as escolas contavam com 9.992 professores, dos quais 9.444 eram efetivos e apenas 548 temporários. Já em 2023, o panorama mudou drasticamente: o número total de professores subiu ligeiramente para 10.227, mas a composição desses números revela uma tendência preocupante. O total de professores efetivos despencou para 6.924, enquanto o contingente de temporários saltou para 3.303. Isso representa uma redução de mais de 2.520 professores efetivos, acompanhada de um acréscimo de 2.755 professores temporários.

Essa substituição de professores efetivos por temporários, de acordo com o SINSP, “reflete uma política de gestão educacional que favorece contratações temporárias em detrimento de um quadro de educadores permanente e estável“. Importante destacar, os professores temporários são selecionados sem concurso público, por meio apenas de apresentação de currículo, o que levanta questões sobre a qualidade e continuidade do ensino.

O Censo Escolar, realizado pelo Ministério da Educação, mostra “que a política do governo é a retirar o professor efetivo das salas de aula e preencher o espaço que fica vago contratando professores temporários“, denuncia o sindicato. Os professores temporários, sem perspectiva de carreira dentro do sistema estadual de ensino, entram na rede apenas com base numa seleção curricular, sem as garantias e a segurança que o concurso público oferece.

Os custos associados a essa mudança também são notáveis. Cada professor temporário custa ao estado R$ 4.420,55 mensais. Com 3.303 professores temporários, o gasto mensal ascende a R$ 14.601.076,65, implicando um acréscimo de R$ 12 milhões em despesas com a contratação desses profissionais temporários.

O SINSP/RN enfatiza que essa política não apenas altera a dinâmica e a qualidade do ensino, mas também impacta financeiramente os cofres públicos, questionando a eficácia de tal estratégia no longo prazo para a educação do Rio Grande do Norte.

Quer receber as principais notícias do Portal N10 no seu WhatsApp? Clique aqui e entre no nosso grupo oficial. Para receber no Telegram, clique aqui

Rafael Nicácio

Estudante de Jornalismo, conta com a experiência de ter atuado nas assessorias de comunicação do Governo do Estado do Rio Grande do Norte e da Universidade Federal (UFRN). Trabalha com administração e redação em sites desde 2013 e, atualmente, também administra a página Dinastia Nerd. E-mail para contato: rafael@oportaln10.com.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Botão Voltar ao topo
O legado de Robert Downey Jr no cinema Android 15: Expansão da Vida Útil Navegação Ecológica com Google Maps A Arte da Atuação e a Busca pela Perfeição Novo iPad Air Pode Herdar Tela Mini LED do iPad Pro Samsung Oferece Canais sem Custo. O Futuro do Cinema com Rebel Moon: Parte 3 “Tortured Poets Department” Conquista o Spotify Centrais multimídia em veículos: um motivo para preocupação. Por que a BYD está ganhando espaço no Brasil?

Adblock detectado

Olá pessoal! O acesso ao nosso site é gratuito, porém precisamos da publicidade aqui presente para mantermos o projeto online. Por gentileza, considere desativar o adblock ou adicionar nosso site em sua white-list e recarregue a página.