Economia

Com crescimento de 7,2%, mercado de Whey Protein deve chegar a R$ 40,9 bi em 2021, diz pesquisa

Foto: Divulgação

Uma pesquisa publicada pela consultoria de mercado estadunidense Zion Market mostrou que o mercado global de Whey Protein valia US$ 8,2 bilhões (R$ 27 bilhões) em 2015 e é esperado para atingir US$ 12,4 bilhões (R$ 40,9 bilhões) até 2021, com crescimento médio de 7,2% de 2016 em diante.

O produto – a porção líquida do leite separada da coalhada – é um dos alimentos dietéticos mais populares do mundo hoje devido às facilidades de absorção pelo corpo e à presença de um perfil forte de aminoácidos. O Whey contém proteínas, carboidratos, vitaminas, gorduras e minerais e é usado para melhorar a síntese proteica dos músculos, permitir a queima de gorduras, fortalecer o sistema imunológico e desenvolver uma maior sensibilidade à insulina.

De acordo com a pesquisa, o mercado global de Whey Protein deve ter seu maior crescimento neste período devido ao aumento da porcentagem de pessoas mais velhas ao redor do mundo. Mais do que isso, a tendência de mais cuidados com a saúde e a demanda cada vez maior em academias são elementos que vão impulsionar as vendas do suplemento no futuro. Os dados ainda indicam que há uma geração jovem mais inclinada a praticar esportes e frequentar centros fitness, o que também sugere o consumo de Whey.

Por segmentos, o estudo mostra que as dietas suplementares são responsáveis pela maior parte do consumo do produto. Globalmente, 60% do mercado de Whey está envolvido com esse tipo de alimentação. Esse crescimento é principalmente atribuído por um comportamento característico de um público jovem e interessado em uma vida fitness. Em países em desenvolvimento, como Índia e China, os segmentos farmacêutico e clínico são esperados para experimentar um crescimento significante dentro desse período.

Em termos de receitas, a Europa possui o maior compartilhamento da indústria de Whey e está pronta para continuar dominando esse mundo até 2021: para a Zion, o público principal do suplemento – os jovens de academia – é uma maioria dos consumidores na região. É o caso da suíça Miriam Pouterra, que passa metade do ano no Brasil e a outra metade em Genebra, sua cidade natal. “Vou à academia quatro vezes por semana o ano inteiro. Quando estou no Brasil, é mais fácil substituir os treinos indoor pelas praias, pelas avenidas, já que o clima permite, e pelos parques. Na Suíça, por causa do frio, eu prefiro treinar em academias. Mas estou sempre com uma garrafa com Whey na mala”, conta ela.

Mas a Europa também tem um público de pessoas mais velhas que passaram a consumir o Whey sem desconfiança. Hoje, o continente possui 37% do mercado global do produto e, com um crescimento de 8,2% ao ano, deve chegar a 2021 como uma potência do setor.

Depois da Europa, vem os EUA, que possuem outros 32% de todo o mercado. No entanto, os estadunidenses têm um mercado maduro em termos de importação e exportação de Whey Protein. “A tendência de comidas saudáveis testemunhou um crescimento nos Estados Unidos e no Canadá nos últimos anos, o que demandou mais suplementos como esse”, diz um trecho do relatório. Além disso, o produto é consumido nos Estados Unidos também com o intuito de fornecer energia e saúde para consumidores que não têm tempo para uma dieta adequada cotidiana.

A Ásia, no entanto, é o grande mercado do futuro dos produtores de Whey: hoje, os países da região compartilham 21% do negócio global. Nos últimos anos, o aumento do consumo de fast food por pessoas com estilos de vida sedentários em economias em desenvolvimento asiáticas, como a China e a Índia, fez com que crescessem as taxas de indivíduos com doenças cardiovasculares, diabetes e obesidade. Como resultado, classes altas e médias desses países também devem perceber logo que suplementos alimentares servem como alternativas às drogas prescritas por médicos.

Na Índia, essa indústria é uma das que experimentam uma expansão mais rápida dentro dos mercados da região do Pacífico Asiático. De acordo com recentes relatórios, ela já vale cerca de US$ 2,2 bi (R$ 7,2 bi) e é projetada para crescer até 20%, para US$ 6,1 bi (R$ 20 bi) entre 2019 e 2020.

Consultorias internacionais se amparam nesses dados para mirar a Índia como um mercado em potencial: em um país com 1,2 bilhão de pessoas e em que 300 milhões estão em camadas socioeconômicas preocupadas com a saúde e o estilo de vida saudável, esses consumidores estão comprando mais suplementos e produtos naturais, cujos mercados já estão na casa dos bilhões.

Por outro lado, segundo dados da Foreign Agricultural Service, em 2012, o Whey Protein já era o principal produto importado dos Estados Unidos pela China entre os laticínios, com um volume de US$ 118 milhões de trocas comerciais. Naquele ano, os chineses consumiram 43 mil toneladas só de Whey – aumento de 258%. Para o Euromonitor, a aplicação do suplemento em vários ramos da indústria chinesa representa um enorme potencial.

Nos últimos anos, o mercado chinês está se consolidando como o maior consumidor desse produto no mundo, atrás apenas dos Estados Unidos. Esse crescimento está ligado às maiores preocupações dos chineses com a aparência individual e, em particular, à expansão dos estilos de vida saudáveis e esportivos característicos do Ocidente.

Por fim, a América Latina segue com um mercado menor, mas com potencial de crescimento, de acordo com a Zion. Para a consultoria, isso acontece por causa da atração à vida fitness junto com uma alta das rendas das populações desses locais.

You Might Also Like

One comment

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.