DestaquesSaúde

Cientistas descobrem nova maneira de detectar Alzheimer: sua eficácia é quase 100%

O Alzheimer – a manifestação mais comum da demência – é uma das principais causas de invalidez e dependência no mundo, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Atualmente, estima-se que 50 milhões de pessoas sofram da doença e a OMS estima que até 2050 esse número triplicará.

Infelizmente, os sinais e sintomas desta condição não são visíveis até que esteja em um estágio intermediário. No entanto, de acordo com um grupo de cientistas, um algoritmo pode detectar o Alzheimer antes mesmo de seu aparecimento.

O novo algoritmo que detecta Alzheimer

pessoas com Alzheimer podem desenvolver depressão
Foto: Geralt / Pixabay

O algoritmo – que já era utilizado para outras finalidades em diferentes áreas – se mostrou capaz de detectar possíveis indicadores de Alzheimer com precisão próxima a 100%.

Por meio de uma análise de imagens de ressonância magnética do cérebro – obtidas de 138 pessoas, o novo algoritmo atingiu uma taxa de precisão de 99%. Em termos de precisão, sensibilidade e especificidade, funcionou melhor do que os métodos existentes, de acordo com os pesquisadores.

O novo método pode detectar sinais de comprometimento cognitivo leve (MCI) ou o próprio comprometimento leve, que é a etapa entre o comprometimento cognitivo (associado ao envelhecimento) e a doença de Alzheimer.

É importante esclarecer que o MCI nem sempre significa que você terá a doença, embora seja um indicador importante do potencial de perda de memória.

Como isso é possível?

A análise manual de imagens de ressonância magnética para procurar sinais de comprometimento cognitivo leve é ​​possível. No entanto, os humanos não são tão rápidos e precisos quanto um algoritmo, especialmente ao comparar estudos com dezenas de bancos de dados.

O processamento de sinal moderno permite que o processamento de imagem seja delegado à máquina, que pode completá-lo mais rápido e com precisão suficiente“, explicou Rytis Maskeliūnas, professor de ciência da computação da Universidade de Tecnologia de Kaunas.

É claro que não ousamos sugerir que um profissional médico deva confiar 100% em um algoritmo. Pense em uma máquina como um robô capaz da tarefa mais tediosa de classificar dados e pesquisar recursos“, frisou.

Depois que o software destaca os casos em potencial, os especialistas podem começar a analisá-los e confirmá-los.

O diagnóstico precoce significa tratamento mais oportuno, mesmo que a medicina ainda não tenha descoberto como erradicar completamente o Alzheimer.

A Inteligência Artificial descrita no estudo baseia-se na rede neural ResNet18 existente e divide as varreduras do cérebro em seis categorias, desde manifestações saudáveis ​​até sinais de Alzheimer.

Embora esta não tenha sido a primeira tentativa de diagnosticar a doença de Alzheimer de início precoce a partir de dados semelhantes, nosso principal avanço é a precisão do algoritmo“, disse Maskeliūnas .

Obviamente, esses números elevados não são indicadores de desempenho real na vida real, mas estamos trabalhando com instituições médicas para obter mais dados“.

Alzheimer hoje

Atualmente, vários métodos são utilizados para detectar o Alzheimer, como rastreamento ocular, análise de voz e até a instalação de sensores nas residências dos pacientes, apesar de a nova IA prometer ser mais rápida no diagnóstico.

Para atingir esse nível de eficácia próximo a 100%, mais de 78.000 exames de ressonância magnética foram usados ​​para treinar e validar o modelo de algoritmo da IA. Os pesquisadores acreditam que seus resultados podem ser usados ​​para desenvolver um novo software que incorpore outros dados, como idade e pressão arterial.

Você acha que este algoritmo poderia ser usado para identificar outras condições mentais? Deixe sua opinião nos comentários.

Quer receber as principais notícias do Portal N10 no seu WhatsApp? Clique aqui e entre no nosso grupo oficial. Para receber no Telegram, clique aqui

Rafael Nicácio

Co-fundador dos canais Portal N10, Jerimum Geek e do Tudo em Dicas. Já trabalhou na Assecom (Assessoria de Comunicação do Governo do Rio Grande do Norte) e na Ascom (Assessoria de Comunicação da UFRN). E-mail para contato: rafael@oportaln10.com.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo