A Coreia do Norte ameaçou mais ataques contra o governo dos EUA e de outras instituições americanas, após o polêmico ataque cibernético à Sony que cancelou o lançamento do filme ‘The Interview’ (A Entrevista). As informações são do Daily Mail.

O governo – que estava indignado com o filme que mostra o assassinato do líder Kim Jong Un – também alegou ter “provas claras” de que o governo dos Estados Unidos arquitetou este ataque como uma “propaganda” contra a Coreia do Norte. Em um post publicado pela agência estatal de notícias KCNA, autoridades coreanas voltam a atacar os EUA verbalmente, ameaçando “explodir” a Casa Branca – enquanto eles continuam a negar que eles têm alguma coisa a ver com os ataques cibernéticos na Sony.

O filme de comédia mostrava o assassinato do líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un. Foto: Reprodução/Daily Mail
O filme de comédia mostrava o assassinato do líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un. Foto: Reprodução/Daily Mail

Referindo-se aos Estados Unidos como uma “fossa de terrorismo”, a ditadura comunista disse que já atacou “cidadelas dos imperialistas norte-americanos “, nomeando a Casa Branca e o Pentágono, em particular. O comunicado, traduzido do coreano, disse: “A RDPC [Coreia do Norte] já lançou a oposição mais dura. Nada é um erro de cálculo mais sério do que supondo que apenas uma única empresa de produção de filme é o alvo desta ação contrária. Nossa meta é todas as cidadelas dos imperialistas norte-americanos que ganharam o ressentimento amargo de todos os coreanos. O exército e o povo da RPDC estão totalmente prontos para estar em confronto com os EUA em todos os espaços de guerra, incluindo o espaço de guerra cibernético para explodir essas cidadelas”.

A Coreia do Norte chamou o hack de um “ato justo” – e reiterou que não tinha ideia de onde ele veio. Funcionários do FBI têm explicitamente ligado o ataque ao regime coreano, dizendo que os detalhes técnicos do ataque têm marcas coreanas. De acordo com o post, o governo norte-coreano também está convencido de que os diretores Seth Rogen e Evan Goldberg estavam sob instruções diretas de autoridades norte-americanas, que lhes disseram para incluir cenas extras de “insulto à dignidade” da Coreia do Norte.

Eles disseram: “Diz-se que o filme foi concebido e produzido de acordo com as” orientações” das autoridades norte-americanas, que sustentou que tais filmes ferissem a dignidade da liderança suprema da RPDC e incitasse o terrorismo contra ele para serem utilizados de forma eficaz como “propaganda contra a Coreia do Norte”.

Sony cancelou o lançamento do filme “A Entrevista”,  que estava previsto para o dia 25 de dezembro, na semana passada depois que os hackers ameaçaram ataques do mundo real em cinemas que o exibissem. A grande maioria das cadeias de cinema que foram definidas para a estreia do filme voltaram atrás e decidiram não exibi-lo mais. Depois, o presidente Obama disse que a Sony tinha cometido um erro ao cancelar o filme, e que ele teria intervindo para ter certeza que o lançamento desse certo.

Assine nossa Newsletter e receba as principais notícias do Portal N10 em seu Whatsapp totalmente grátis. Clique no ícone do WhatsApp para ser incluído (não se esqueça de salvar nosso número na sua lista de contato!).

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.